Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A Petrobras está cortando boa parte das encomendas dos distribuidores de óleo diesel e gasolina. A informação é de que a empresa não terá capacidade para atender todos pedidos  apresentados para o mês de novembro, que começa em alguns dias. Segundo a estatal, nos últimos anos, o mercado brasileiro de diesel foi abastecido tanto por sua produção, quanto por importações realizadas por distribuidoras, terceiros e pela própria companhia, que garantiram o atendimento integral da demanda. Na comparação com novembro de 2019, a demanda dos distribuidores por diesel aumentou 20% e a por gasolina em 10%. No primeiro semestre, o parque nacional de refino operou com 79% de sua capacidade, a mesma média de 2020 e maior que 2019 (77%) e 2018 (76%). Mas hoje já está em 90% e qualquer alteração te, de ser programada com razoável antecedência. A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), emitiu nota descartando, por enquanto, qualquer possibilidade de desabastecimento de combustíveis no mercado nacional e garantindo que tomará providências se constatar a anomalia.

Apesar da grita sobre os preços altos dos combustíveis no Brasil, os distribuidores revelam que houve maior demanda pelo diesel da Petrobras, porque o combustível disponível no mercado externo está mais caro do que o valor praticado aqui. A alta do preço do petróleo e seus derivados não é um fenômeno brasileiro, como os politiqueiros querem fazer acreditar; ocorre em todo o mundo. É aí que se questiona a utilidade de manter uma empresa petroleira estatal. Embora seja seu controlador, o governo não pode e nem deve em qualquer hipótese interferir na sua política de preços e, mesmo assim, sofre críticas dos que cobram sua interferência e dos que reclamam da possibilidade dela.

Há a suposição geral de que a companhia é estratégica e garante o abastecimento da frota nacional. Afinal, essa foi uma verdade (ou mentira) sempre dita aos brasileiros. Mas agora se verifica que a companhia não é tão careira quanto se pensa – tanto que seus combustíveis são vendidos a preços menores do que os do mercado internacional a ponto de os distribuidores lutarem, para adquiri-los, quando poderiam importar. Estamos precisando redefinir a política energética e estabelecer a verdade do mercado. Não é o caso de procurar “culpados” pelos altos preços de gasolina, diesel, gás de cozinha e outros produtos do gênero, mas de traçar estratégias para que cheguem ao consumidor a preços compatíveis.

É preciso desmistificar o setor. Já sabemos que o petróleo não é nosso. Nem mesmo quando retirado do subsolo nacional. Ele pertence à Petrobras, que o cota a preço internacional e depois nos vende. Para operar assim, não precisamos de uma estatal. Melhor seria a privatização, já que somos sujeitos aos preços de mercado. O grande sonho econômico é chegarmos ao dia em que o Estado Brasileiro deixe de ser empresário mas seja um competente normatizador, licenciador e fiscalizador. Pouco nos importará quem seja o “dono” da Petrobras, da Eletrobras e das outras “bras” nem sempre produtivas mas muitas vezes gravosas ao erário porque, como estatais, não vão à falência e tem seus prejuízos cobertos pelo Tesouro.

Com certeza, ainda se encontrará uma solução para garantir os combustíveis nas bombas de abastecimento. Mas o Brasil precisa de mais que isso. A matriz energética mudará nos próximos anos em consequência da entrada e popularização do carro elétrico. Muitos países – inclusive a vizinha Argentina – já têm data para banir os motores a explosão. Sem eles, o petróleo e outros carburantes perderão sua utilidade e as empresas petrolíferas nada valerão. Não podemos esquecer que, para movimentar uma frota de carros elétricos, precisaremos de eletricidade e o nosso sistema não tem folga e ainda sofre os revezes da estiagem. É necessário investir em fontes alternativas como a de placas fotovoltaicas (solar) e a eólica (hélices captadoras do vento). Sem isso, nada de carro elétrico...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.