Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Nada mais impróprio do que a articulação – que já envolve seis governadores – para enviar policiais militares ao Ceará como forma de abrandamento da crise criada pela paralisação dos policiais de lá. A inédita medida, além de carregada de questões de ordem jurídica, prática e ética, traz a agravante de que as unidades federativas fornecedoras desse socorro padecem de problemas idênticos ou similares aos que levaram a polícia cearense ao colapso. Em São Paulo, por exemplo, o governador João Dória não deve ignorar que a Polícia Militar possui “claros”, isto é, falta de preenchimento de 20% das vagas de seu quadro e os integrantes da corporação não recebem sequer a reposição inflacionária em seus salários há pelo menos dez anos. O salário insuficiente impede de morar bem e com segurança, priva de possuir veículo que livre de se encontrar, no metrô ou no ônibus, com os criminosos que combate no seu dia-a-dia, e levou praticamente toda a tropa a afundar-se em empréstimos e outros endividamentos. Como é que, com uma divida funcional e social dessa ordem, o estado vai ainda retirar mais policiais, veículos e recursos para remeter ao Ceará?

Os policiais militares cearenses estão, realmente, em descumprimento da lei e dos regulamentos, que impedem a classe de entrar em greve. Certamente irão responder por isso. Mas o governo do estado, seu empregador, e a Justiça, ao analisarem a questão, além das agravantes, precisam considerar também as atenuantes. Compreender, por exemplo, o que levou a classe a jogar sua estabilidade emocional e profissional para os ares. Examinar qual a situação em que vivem os grevistas e suas famílias. Não ignorar que, por inúmeras razões, os policiais apresentam elevado índice de moléstias de ordem psicológicas, suicídios, dissolução familiar e outros males que podem tê-los conduzido à explosão como verdadeiros humanos-bomba. Decidir sem olhar para os dois lados só servirá para agravar o que já está ruim.

Ainda mais: não se pode ignorar que existem reivindicações explícitas e com apoio de políticos em 12 estados e que, numa analise mais completa, conclui-se que a luta por melhores rendimentos é permanente nas polícias de todas as unidades da federação, inclusive no Distrito Federal, que recebe aporte da União e paga os melhores salários da classe. Mais do que punir quem fez greve, o importante é os governadores e até o governo federal buscarem a definição dos problemas reclamados pelos policiais militares sua solução. Devem considerar que, no quadro hoje vivido, o Ceará pode ser apenas a ponta de um iceberg com possibilidade de ser detonado a qualquer instante e ter dimensões maiores do que muitos imaginam. É importante observar que, se os Estados, a rigor, não têm como ajudar o Ceará, a União também não porque as Forças Armadas têm seu efetivo dedicado a outras tarefas. A GLO (Garantia da Lei da da Ordem) deve ser algo de curta duração e pronto a resolver uma situação momentânea, jamais para assumir a segurança pública, que é obrigação estadual.

Finalizando, é de se recusar a crença de que os governadores estão adotando essa atitude extremada e corporativa com mira nas eleições de 2022. Se isso acontecer, é o maior disparate político. Até porque ainda têm a obrigação de governar por três anos e só o que fizerem nesse período é que os credenciará a concorrer à reeleição ou, até, à presidência da República. Antecipar a disputa, chega a ser impatriótico... 

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.