Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A negativa do Supremo Tribunal Federal à reeleição dos presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado Federal – pretendida pelos atuais titulares, deputado Rodrigo Maia e senador David Alcolumbre – é uma auspiciosa notícia e restaura a credibilidade daquela corte, nos últimos anos judiada por decisões politizadas e arbitrárias de seus membros. A revogação do próprio entendimento quanto ao cumprimento da pena após a condenação em segunda instância (adotada para libertar o ex-presidente Lula), o fatiamento do impeachment da presidente Dilma Rousseff mantendo-a com direitos políticos em desacordo com a Constituição, que impõe ao impichado a pena acessória de 8 anos de inelegibilidade, e os procedimentos intempestivos e de nítida invasão dos outros poderes – a maioira deles monocráticos – levaram o STF a um de seus mais obscuros momentos em quase 130 anos existência.

Os ministros Luis Roberto Barroso, Edson Fachin e Luiz Fux, com seus votos divulgados no domingo, evitaram a possibilidade de a Constituição ser mais uma vez rasgada dentro da corte. O artigo 57 § 4º, fixa a data da eleição das mesas (1ºde fevereiro) e traz a vedação à reeleição. Maia e Alcolmbre pretendiam que o STF se omitisse na interpretação constitucional e classificassem a matéria como assunto interno do Legislativo. Independente dos seus interesses políticos ou pessoais, a interpretação é de inconstitucionalidade da reeleição. Algo que, a rigor, o STF nem deveria ter colocado em discussão.

A propósito, a reeleição é algo nefasto no cenário político nacional. Desde sua instituição para os cargos executivos – presidente da República, governador e prefeito - os titulares dos mandatos têm feito as mais mirabolantes artimanhas para alcançar o segundo mandato. O ideal seria que, uma vez eleitos, tivessem foco apenas na missão de governar em vez de começar de imediato a campanha para se reeleger. No caso específico das mesas da Câmara e do Senado, a recondução do titular faz parte de um jogo bruto e antidemocrático. O presidente detém grandes poderes e faz de tudo para deles não abrir mão e com eles interferir também nas futuras eleições (no caso de hoje, as de 2022). Alcolumbre, por exemplo, engavetou sucessivos pedidos de impeachment de ministros do STF e agora teve o voto daqueles beneficiários.

Pelo bem da Nação, deveria se eliminar a reeleição para o Executivo e a postos das mesas do Poder Legislativo federal, estadual e municipal. A recondução deles aos postos só serve para eternizar esquemas de poder, não raramente arrepia a democracia e tumultua a prestação de serviços. É preciso oportunizar o acesso ao poder de todos os que conseguem reunir votos para tanto e eliminar a chance que os detentores de mandatos e delegações utilizem a força dos seus cargos para neles permanecer indefinidamente. A democracia que queremos é aquela em que o poder é exercido por quem tem mais votos populares e que um governante só tem acesso a um novo mandato depois de entregar o posto ao sucessor regularmente eleito e, na eleição seguinte, consegue ser reeleito pelo povo em função da boa gestão empreendida e não por força da maquina pública ainda sob sua condução. O número cada eleição maior de abstenções e votos nulos e brancos nas eleições é, sem dúvida, o deconstentamento popular. Pensem nisso. 

A decisão do domingo é um importante demonstrativo de que o STF toma novos e mais adequados rumos sob a presidência de Luiz Fux. Que assim permaneça... 

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.