Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O ano de 2020 jogou na cara de todos nós o quanto a vida humana é frágil e quão grande é nossa vulnerabilidade ante à fúria da natureza. Uma pergunta que ressalta da pandemia e do sofrimento por ela imposto é: o que aprendemos com tudo isso? A escritora britânica Taylor Caldwell (1900-1985), em seu magnífico livro Médico de Homens e de Almas, de 1958, afirma que “o conhecimento vem com lágrimas, desgosto e dor”.

Mesmo para quem não crê em Deus, a narrativa sobre a vida de Lucano, ou Lucas, devidamente romanceada, traz mensagens e ensinamentos sobre a existência na Terra que fazem bem e ajudam a entender a vida e as ações em busca do bem e da felicidade. O personagem do livro é São Lucas, autor de um evangelho do Novo Testamento, que a Bíblia apresenta como um médico sábio, bem instruído e dono de um coração generoso, sempre preocupado com o sofrimento dos pobres, enfermos e oprimidos.

O livro narra a peregrinação humana sob o desespero e as trevas da vida, em situação de sofrimento, angústia e desesperança. Neste ano de pandemia, ressurgem as perguntas feitas por Sócrates (469-399 a.C): Quem somos? De onde viemos? O que estamos fazendo aqui? Para onde vamos? Santo Agostinho (354-430 d.C), em sua filosofia, elevou o indivíduo à condição divina e estabeleceu que a vida humana deve ser colocada no centro do universo, protegida, respeitada e valorizada, porque o ser humano é único, dotado de intelecto e portador de uma alma imortal.

Nos vinte séculos de predomínio de Ocidente cristão, a questão moral e o valor da vida eram regidos por Deus, sua igreja, seus sacerdotes, seus mandamentos, seus ritos e suas leis. A questão moral originava as perguntas “como viver? o que devo fazer?”, cujas respostas tinham muito da crença em Deus, que teria feito o humano à sua imagem e semelhança.

Friedrich Nietzsche (1844-1900) provocou comoção na Europa quando, 138 anos atrás, no livro A Gaia Ciência, ele bradou: “Deus está morto!” e “fomos nós que o matamos!”, querendo com isso dizer que a crença em Deus e a religião estavam morrendo, logo não bastavam mais para responder à questão moral “que devo fazer?”. Sem Deus e sem religião, por que ser moral?, questão levantada por Dostoiévski, pela boca de seu personagem Ivan Karamazov, que disse: “Se Deus não existe, então tudo é permitido”.

A história da humanidade é a conquista progressiva da liberdade, da prosperidade material e do respeito ao indivíduo, por razões terrenas e sociais, independente da condição divina do ser humano. Quando os liberais ingleses lutaram contra o poder imperial dos reis, o fizeram porque consideravam que o indivíduo, sua vida, sua liberdade e sua propriedade são os valores maiores, que devem pairar acima do Estado, não importa se Deus existe ou não.

O filósofo francês André Comte-Sponville (1952-) expressou sua inquietação de que a morte social de Deus, gritada por Nietzsche, possa ser ao mesmo tempo a morte do espírito – como diz ele, o desaparecimento, pelo menos no Ocidente, de toda vida espiritual digna desse nome – a tal ponto que, com o esvaziamento das igrejas, só saibamos preencher nossos domingos com o shopping center e relegar a moral a segundo plano.

A pandemia, a angústia e a dor deveriam nos fazer melhores, mais humanos e mais preocupados com a vida e o bem-estar de nosso semelhante. A valorização da vida é base inclusive para o aperfeiçoamento das soluções coletivas, principalmente aquelas executadas pelo Estado por meio de políticas públicas e ações de governo. Daí deriva a importância de sociedade e governo fazerem um esforço adicional no combate à pobreza, à fome, ao desemprego e à desigualdade social.

A economia deve ser um sistema produtivo e uma a ordem social a favor do ser humano, sua vida e seu bem-estar. Mas não esperemos conseguir esse objetivo por ação da bondade humana. A bondade é uma virtude humana individual, logo, as pessoas podem ser bondosas. Mas as instituições são impessoais, em primeiro lugar elas têm interesses, a bondade vem depois, se é que vem. Lembro que Roberto Campos, em um momento de tristeza e frustração, disse: “O mundo será salvo pelos eficientes, não pelos caridosos, pois até os caridosos agem por interesse”. Neste fim de ano, com o espírito de Natal, em tempo de crise, vale a pena refletir sobre esses temas.

José Pio Martins, economista, reitor da Universidade Positivo.

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.