Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

As lives do presidente Jair Bolsonaro, às quintas-feiras, costumam ter uma hora ou menos de duração. Mas a de ontem (29), estendeu-se por mais de duas horas. O voto impresso, foi o tema principal, contrapondo o chefe do governo ao presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Luiz Roberto Barroso e a outros ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) que, nos últimos dias, peregrinaram pelo Congresso Nacional em busca da rejeição da PEC 135/2019, de autoria da deputada Bia Kicis, que determina a acoplagem de impressora às urnas eletrônicas para o registro e guarda de cada voto depositado pelo eleitor. Participaram da apresentação técnicos de informática, que demonstraram a possibilidade de fraude, e citaram incidentes de eleições passadas já denunciados às autoridades.

Apesar do nervosismo da contenda – afinal são representantes de duas forças institucionais em posições opostas – pudemos ver um Bolsonaro menos ácido do que em pronunciamentos anteriores. Talvez seja sua nova imagem pública de “Jair do Centrão”, conforme o dito por ele mesmo. Defendeu seguidamente as eleições e a necessidade delas serem seguras e limpas. Buscou a definição do voto impresso como mais uma segurança ao processo eleitoral contra a possibilidade de fraudes. Embora tenha lançado dúvidas sobre o TSE, e criticado a libertação e reabilitação da elegibilidade de Lula, não o fez de forma virulenta. A divergência entre os líderes do Executivo e do Judiciário é salutar e – o mais importante – dá ao Legislativo, a instituição encarregada de atualizar a legislação, os elementos para decidir da melhor forma. Cumprida essa etapa, o processo restará aperfeiçoado e os três poderes terão dado sua contribuição ao fortalecimento da democracia. Considere-se, ainda, que os deputados, senadores e os demais ocupantes de cargos eletivos – governadores, prefeitos e vereadores – também são interessados na segurança do processo de votação porque, da mesma forma que os candidatos a presidente da República, eles também estarão sob risco se o sistema for passível de fraude. 

Perto do trecho final da longa live, Bolsonaro falou da imprensa que – com razão ou não, o tem maltratado – reconhecendo que os veículos de comunicação têm importante papel a cumprir na sociedade democrática. Repetiu teses que tem defendido desde a posse, como a exceção de ilicitude nas operações de segurança como forma de evitar a perseguição aos policiais em seu trabalho de combate ao crime e à desordem social.

Neste domingo – 1º de agosto – ocorrerão as manifestações pela aprovação do voto impresso (e auditável), que deverá ser votado na próxima quinta-feira, dia 5. Esperamos que sejam atos firmes e pacíficos. E que, na data da votação, os parlamentares estejam completamente livres para escolher a opção que lhes pareça mais adequada ao avanço e manutenção do processo eleitoral. Afinal, são os representantes do povo decidindo sobre uma questão nacional e até sobre o próprio destino, pois eles próprios são resultantes das eleições.

Vivemos um momento crucial. Há muito não tínhamos a política nacional conturbada por tanto tempo e nem observávamos tanta mistificação e incompreensão entre seus praticantes. Já passou da hora das verdadeiras lideranças tomarem as rédeas em busca da racionalidade. Não podemos continuar nesse permanente estado de guerra eleitoral, fake-news e irresponsabilidades. Brigando, os políticos e as figuras institucionais não representam a sociedade que, para se desenvolver, precisa de paz, trabalho e foco. Aproveitem o momento de desmobilização das restrições relativas à pandemia da Covid-19 e também recolham as armas do desentendimento e da desqualificação permanente do adversário. Vamos, todos, trabalhar pela construção e manutenção daquela sociedade justa, solidária e progressista onde há lugar para todos. Em nome do Brasil, vamos priorizar nossas convergências e cultivá-las sem perder nossa própria identidade e nem deixar que as divergências nos levem ao caos.

Precisamos de paz. Sem ela, a democracia que muitos batem no peito dizendo ter ajudado a implantar, poderá deixar de existir. 

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br  

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.