Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Em meio às incertezas do final (?) da pandemia do Covid-19, eclode o surto epidêmico de gripe. Isso leva a autoridade sanitária a diminuir o ritmo das flexibilizações de comportamentos e costumes da população. A liberação do uso da máscara, que já deveria ter ocorrido no mês passado, agora está marcado para 31 de janeiro. E, a bem da verdade, não sabemos se naquela data as condições sanitárias o permitirão e a população estará preparada para tanto. Os hospitais  registram o aumento do número de gripados tanto nos serviços ambulatoriais quanto nas internações de casos que se complicaram. Todo cuidado é pouco e a responsabilidade não fica restrita às equipes de saúde, esten dendo-se também à população, que deve se resguardar.  Tudo isso, sem falar da vertente Ômicron do Covid-19, que vai se alastrando e ainda não temos certeza de como nossa população será impactada.

É certo que a pandemia e seus efeitos ainda estão presentes e são preocupantes. Mesmo que a variante vinda da África do Sul seja menos letal que as demais, é preciso manter a estrutura de saúde em condições de atender a população em caso de acometimento de muitos indivíduos ao mesmo tempo, como é a sua característica anunciada. Agora surge a gripe, de forma preocupante e em diferentes áreas do país. Não podemos baixar a guarda e devemos manter a excelência do diagnóstico para evitar que as semelhanças entre os sintomas possam levar a conclusões errôneas e ao atraso no tratamento do mal efetivamente presente.

Vivemos a semana do Natal, festa máxima da cristandade, que costuma reunir as famílias. É bom lembrar que o coronavírus, nas suas diferentes formas, continua presente. E que na falta de cuidados – máscara, lavagem das mãos e distanciamento – o  agente pandêmico poderá passar de um indivíduo para outro, mesmo entre os vacinados, que terão menor gravidade mas mesmo com as três doses do imunizante, ainda poderão se infectar. A guerra ainda não acabou e, com certeza, se prolongará em 2022, em proporções que deveremos avaliar a cada instante, para, a partir da verificação, adotar as melhores providências para cada tempo.

Uma das grandes preocupações está nos 20 milhões de brasileiros que fugiram da vacina, não voltando para a segunda e terceira doses. A droga está à disposição, gratuitamente, nos postos de imunização. Mas as conversas e boatos circulados durante a pandemia os levou a rejeitar o processo por diferentes razões, inclusive políticas (o que é lamentável). É difícil mudar a cabeça dos que já arraigaram um raciocínio. E o pior é que, se potencializarem um novo surto, não só eles adoecerão e até morrerão, mas também os que com eles convivem ou se comunicam pessoalmente. Uma verdadeira falta de cidadania.

Semanas atrás se discutiu largamente a proibição de festas de Natal, Ano Novo e até o Carnaval. É bom lembrar o povo e principalmente as autoridades de que o quadro não mudou, ou pode até ter piorado depois da chegada da Ômicron e da elevação da incidência de gripe. Em relação às festas de Natal, a essa altura dos acontecimentos, pouco se poderá fazer. Mas há uma semana a mais para pensar no Ano Novo e ainda dois meses para decidir o Carnaval. Ninguém é partidário de acabar com as festas, mas o momento de crise sanitária exige cuidados e muita responsabilidade. Pior do que não ir à festa é, depois dela, ficar acamado, ter de se internar e até perder a vida.

As autoridades da Saúde Pública precisam orientar a população sobre os limites a observar. Não é possível e nem aconselhável quarentena ou lockdown na situação hoje vivida em nosso país. Mas todo indivíduo tem o direito de saber o que deve e, principalmente, o que não deve fazer, para preservar a saúde e restar em condições de festejar Natal, Ano Novo, Carnaval e todos os momentos importantes de suas vidas nos anos vindouros... 

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.