Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

É preocupante ver a media da inflação do período da Covid-19, apurada em 5,80% entre maio e outubro. Isto é, quatro vezes maior do que a alta oficial de preços, de 1,35%  de variação IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo). Altas como os 18% em televisores e materiais de informática, 9% em eletromésticos, 6,6% em alimentação são nocivas e carecem providências para não impactarem a Economia. O momento de quarentena foi atípico e provocou distorções. Agora, na medida em que a pandemia arrefece, chegou a hora de irmos voltando aos patamares normais do mercado.

Os próprios setores onde ocorreram as maiores altas têm o dever de buscar melhor produtividade e poder de compra de insumos e produção para voltar pelo menos mais perto dos valores praticados antes da emergência. O Estado não deve interferir diretamente no preço final, mas tem a obrigação de monitorar a economia para evitar que setores com poder prejudiquem os mais fracos e o consumidor. Temos de voltar aos tempos do chamado “vôo de cruzeiro”. A sociedade não pode absorver custos injustificados ou desnecessários, pois isto pode trazer de volta a indigesta inflação.

Todos os setores têm de funcionar de forma a, com o resultado da venda dos produtos, custear a matéria-prima, a produção e auferir o lucro justo. O governo, além de fiscalizar para evitar abusos, também precisa, através de medidas tributárias, desonerar a produção para evitar que o mesmo produto custe aqui valores muito elevados em relação ao preço internacional. A equipe do ministro Paulo Guedes tem uma grande tarefa pela frente. Estabelecer uma nova matriz econômica. O começo, salvo melhor juízo, deve ser a diminuição do tamanho do Estado através da eliminação de cargos criados exclusivamente para satisfazer o apetite dos aliados políticos. Em vez de cargos públicos, onde os contratados muitas vezes nem têm a obrigação de trabalhar, é preciso criar condições para a iniciativa privada investir e operar.

Que os males econômicos da pandemia não sejam da mesma magnitude do que os danos de saúde e perdas humanas que tanto fazem sofrer a população... 

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.