Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Para o filósofo, psicanalista e especialista em estudos da mente humana Fabiano de Abreu, os tempos atuais trarão mudanças inevitáveis na forma com encaramos a morte e o individualismo chegará ao seu pico.

"Em meio a tantos rostos virtuais, nos encontrávamos sós e uma tragédia global causou a irrelevância do indivíduo quando a morte perdeu o seu peso e valor. A tragédia a confirmar o individualismo.", explica Fabiano de Abreu.

Para o filósofo a realidade cria uma espécie de imunidade colectiva em relação a certos aspectos da vida. Quando a morte é relato diário apenas se espera que não nos toque ou não toque a quem gostamos, tudo o resto parece ficar subvalorizado.

Segundo Abreu, "a morte daquele que não nos relacionamos não causa o mesmo impacto daquele que conhecemos e, quanto maior for a proximidade, maior será o peso da sua morte. As notícias da morte de alguém que antes chocara, em meio a tantos outros óbitos anunciados, adaptáveis que somos, costumeiro e cotidiano, perde o seu devido respeito e nos coloca em completa solidão em um curso em que o fim, deriva em reticências."

Há um egoísmo envergonhado por sentir um rasgo de felicidade em sair impune na tragédia. É o extinto de sobrevivência a dar cartas quando a ameaça é real.

"Personificados em uma solidão inconsciente, sozinhos no prazer pela tragédia alheia que ainda não batera à sua porta, a solidão do isolamento encontra novas razões a justificar a solidão, transferindo a culpa pela justificada precaução a alterar comportamentos e a criar personalidades.", comenta o filósofo.

Para Fabiano de Abreu há sempre lições importantes a tirar de cada acontecimento e este momento não é excepção. Segundo as suas palavras: "... que vejamos em cada morte possibilidades como vultos na janela, a valorizar caminhos interrompidos como um espelho de probabilidades. Tão racional é a busca no conhecimento a aprofundar-se na imaginação do que poderia acontecer consigo mesmo, tão racional é sentir-se vivo pela consciência da morte na razão da vida. Não há melhor precaução que a análise através da sensibilidade com a tragédia alheia, a utilizar da emoção como impulso para uma melhor reflexão como mecanismo de defesa para a própria sobrevivência."

"A solidão é o momento para o autoconhecimento em que a reflexão veja no exemplo a expansão já que a luz da memória está no coletivo, em que a emoção torna-se o impulso para armazenarmos recordação a guardar para a história.", acrescenta.

Para o psicanalista estes acontecimentos deviam tornar-nos mais humanos e não devíamos sentir a tentação de ceder à irracionalidade causada pelo medo.

"Que o momento nos ensine sobre o coletivo e que nos falte em meio ao impacto a vontade que nos faça introduzir o que temo, em meio a irracionalidade, uma nova cultura que nos faça parar de existir, como humanos.", concluí.

Fabiano de Abreu é membro da Mensa, associação de pessoas mais inteligentes do mundo com sede na Inglaterra conseguindo alcançar o maior QI registrado com 99 de percentil o que equivale em numeral a um QI acima de 180. Especialista em estudos da mente humana, é membro e sócio da CPAH – Centro de Pesquisas e Análises Heráclito, com sede em Portugal e unidades no Brasil e na Holanda.

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.