Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Com a proximidade das eleições municipais muitos podem se questionar: ainda vale a pena votar, depois de tantas decepções, desilusões? Votar em quem já mostrou trabalho ou dar chance para o novo? O que vale mais: escolher pelo currículo, pela formação intelectual,  experiência profissional, ou pelo coração, com quem simpatizo? Confiar em quem me procurou ou ir atrás de históricos diferentes?

Alheios a essas interrogações, muitos candidatos despejam promessas, soluções mágicas nas propagandas eleitorais, nos panfletos e abordagens presenciais. Aproveitando-se do momento que passamos por conta da pandemia, ainda há aqueles que descaradamente oferecem “remédios” milagrosos para praticamente tudo. E o eleitor, espantado, se sente meio “leso”: como não pensei (ou não pensaram) nisso antes?

A falta de debate deixa “pinóquios” seguros de que não serão confrontados e desmascarados. Mas o eleitor fica com uma “pulga atrás da orelha”: se era tão fácil assim, por que ninguém fez até agora? Não foi feito porque faltam recursos e os municípios vivem com “o pires na mão”; Não se realizou porque a política exige conhecimento de causa, preparo sim, e não deveria ser habitat de aventureiros; Não se concretizou porque NÃO EXISTE salvador da pátria, nem varinha mágica que irá resolver todos os nossos problemas.

Esqueça esse papo de “vontade política”, pois como se diz: “de boa vontade o inferno está cheio”. Quem insiste em votar em um “sonho”, pode acordar num “pesadelo”.

É preciso estar consciente de que o próximo mandato tende a ser ainda mais difícil. O pós pandemia exigirá muito trabalho, com  muitos desafios e poucos recursos. Para quem você daria a chave de sua casa? Quem você vai indicar para lhe representar, estar no seu lugar? Porque votar é exatamente isso: na impossibilidade de todos participarem de todas as decisões, passamos uma “procuração” para alguém! Sinceramente? Não vale a pena votar levado pela raiva, deboche ou, pior, por segundas intenções.

Diante de tantas promessas vazias, esta eleição poderá bater recorde de abstenções, votos brancos e nulos. Entendo o desânimo e os obstáculos, mas não podemos deixar que escolham por nós! Nos momentos mais delicados é que se faz necessária uma maior participação dos cidadãos.

Nessa reta final para a eleição, queria deixar aqui uma dica: acesse o site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), verifique a página de divulgação das candidaturas do seu município. Lá estão os candidatos a prefeito, vice e a vereador que, se eleitos, assumirão em 2021. Seja curioso, vá além dos apelidos engraçados e cheque as propostas, os bens declarados e os gastos de campanha.

Boa eleição!

Osvaldo Luiz Silva é jornalista, autor dos livros “Ternura de Deus” e “A vida é caminhar”, pela Editora Canção Nova, e membro da Academia Cachoeirense de Letras e Artes (ACLA), em Cachoeira Paulista (SP).

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.