Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Vai ter golpe de Estado? Vão derrubar o Bolsonaro? O Bolsonaro vai fechar o Congresso e o Supremo Tribunal Federal? E as Forças Armadas, em que lado estão nisso? Essas indagações tornaram-se rotineiras nas últimas semanas. Frutos da intensa e irresponsável polarização política que se estabeleceu e enseja que cada grupo político ou ideológico procure as brechas para bater seus adversários. Do jeito que o quadro se coloca, perde a sociedade porque, com seus membros envolvidos em polêmicas, os governos e as demais instituições não conseguem produzir o seu melhor pela solução dos problemas comunitários. Precisamos encontrar alguém com representatividade e força para capitanear a política nacional acima de direita ou esquerda ou qualquer outra subdivisão ideológica. Que consiga construir um acordo capaz de parar a luta fratricida hoje travada nos escaninhos do poder e das instituições. Nada impede que seja uma das lideranças já consolidadas, mas tem de ser com foco reformado e mais abrangente.

A República brasileira nasceu, em 1889, de um golpe militar contra o imperador Pedro II. Ocorreram outras rupturas em 1891, 1930, 1937, 1945  e 1964. Os governos civis, formados a partir de 1985 – após os 21 anos do regime de 64 – não tiveram força para tomar um rumo concreto. As diferentes correntes conduziram, em 1988, à montagem de uma Constituição de viés parlamentarista, mas não puderam revogar o presidencialismo. Aí se criou o gargalo, onde o Legislativo tem as leis, mas quem tem o dinheiro é o Executivo. O poder deteriorou-se e tivemos dois impeachments  - de Collor e de Dilma - e os ruidosos casos dos mensalões, petrolões e outras corrupções que comprometeram a classe política e encarceraram empresários, executivos, ministros, parlamentares e até dois ex-presidentes. Hoje temos um Congresso problemático, com muitos de seus membros denunciados, investigados ou processados, e a sociedade insuflada em todas as direções. Mas o grande problema é que, do jeito que o quadro ficou, não somos parlamentaristas, nem presidencialistas e o híbrido não funciona. É preciso a reforma política que se avizinha decidir por um ou outro. Ambos têm bons exemplos: o presidencialismo nos Estados Unidos e o parlamentarismo na Europa e em outros países ao redor do mundo. O impossível é ambos conviverem no mesmo espaço.

É preciso parar os rompantes e garantir à Nação as condições para trabalhar, empreender e progredir. Os governos – presidente, governadores e prefeitos – precisam ter seus mandatos garantidos e cobrados a cumprir as metas de trabalho prometidas quando pediram os votos do eleitorado. Há que se acabar com o clima permanente de disputa eleitoral. Os vencedores do pleito têm uma tarefa a cumprir e os perdedores fariam melhor se fossem se preparar para as eleições seguintes. O governante só foi investido no posto porque obteve a maioria dos votos e isso tem de ser respeitado ou, então, periclitamos a democracia. Afastamento, só em infrações políticas ou administrativas apuradas e comprovadas, conforme a legislação vigente. Se optarmos pelo parlamentarismo, o governo será do primeiro ministro, também com regras para sua nomeação e destituição, se for o caso, mas tudo previsto em lei e sem improvisos. 

Diferente do passado, onde seus líderes eram politicamente atuantes, as Forças Armadas vêm se mantendo isentas e cumpridoras de seus deveres constitucionais. Nenhum de seus membros da ativa é remanescente daqueles tempos da caserna política. Todos da época já estão na reserva e, a maioria deles, mortos pelo imperativo do ciclo biológico. Evidente que os militares de hoje têm condições de fazer o mesmo que seus antecessores, mas esse seria um último recurso, quando não houvesse qualquer outra solução extra-quartél.

Nossa democracia tem problemas, e o principal deles é ser parlamentarista e presidencialista ao mesmo tempo. Urge optar por um ou por outro. Só assim, podermos viver a paz institucional e, com isso, o progresso e o bem-estar da população. Defina-se o mais rápido possível.

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br 

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.