Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Há algumas semanas recebemos uma significativa mensagem de paz e de fraternidade. Trata-se da encíclica “Fratelli tutti’ (todos irmãos), do Papa Francisco, “sobre a fraternidade e a amizade social”. O documento está dividido em oito capítulos, sendo o primeiro “as sombras de um mundo fechado”. Quais são essas sombras?

Eis uma triste “lista”: o egoísmo, a falta de interesse pelo bem comum; a prevalência de uma lógica de mercado baseada no lucro e na cultura do descarte; o desemprego, o racismo, a pobreza; a desigualdade de direitos e as suas aberrações, como a escravatura, o tráfico de pessoas, as mulheres subjugadas e depois forçadas a abortar, o tráfico de órgãos...

Mais especificamente esse capítulo fala de “sonhos desfeitos em pedaços”. Quais foram os “sonhos”? Durante décadas, pareceu que o mundo tinha aprendido com tantas guerras e fracassos e, lentamente, ia caminhando para variadas formas de integração. Pense-se no sonho de uma Europa unida, capaz de reconhecer raízes comuns e regozijar-se com a diversidade que a habita; ou no anseio duma integração latino-americana (N. 10).

Mas no mundo atual, esmorecem os sentimentos de pertença à mesma humanidade. Reina uma indiferença acomodada, fria e globalizada, filha duma profunda desilusão que se esconde por detrás desta ilusão enganadora: considerar que podemos ser onipotentes e esquecer que nos encontramos todos no mesmo barco (n. 30).

O livro do Eclesiastes afirma que “nada há de novo debaixo do sol” (1,9). Nesse sentido, podemos recorrer à história, que nos ensina sobre a época em que viveu São Francisco de Assis (1181-1226). Similarmente havia muitas divisões, inclusive uma guerra de cristãos contra islâmicos: a “quinta cruzada” (1217-1221). Mas o santo escolheu um caminho diferente. Eis como o Papa Francisco relata esse fato na encíclica citada:

Na vida de São Francisco, há um episódio que nos mostra o seu coração sem fronteiras, capaz de superar as distâncias de proveniência, nacionalidade, cor ou religião: é a sua visita ao Sultão Malik-al-Kamil, no Egito. A mesma exigiu dele um grande esforço, devido à sua pobreza, aos poucos recursos que possuía, à distância e às diferenças de língua, cultura e religião. Aquela viagem, num momento histórico marcado pelas Cruzadas, demonstrava ainda mais a grandeza do amor que queria viver, desejoso de abraçar a todos....Sem ignorar as dificuldades e perigos, São Francisco foi ao encontro do Sultão com a mesma atitude que pedia aos seus discípulos: sem negar a própria identidade, quando estiverdes ‘entre sarracenos e outros infiéis (...), não façais litígios nem contendas, mas sede submissos a toda a criatura humana por amor de Deus’. No contexto de então, era um pedido extraordinário. É impressionante que, há oitocentos anos, Francisco recomende evitar toda a forma de agressão ou contenda e também viver uma ‘submissão’ humilde e fraterna, mesmo com quem não partilhasse a sua fé” (N. 3).

Com esse mesmo espírito, num dos seus escritos, São Francisco criou a expressão “Fratelli tutti” (todos irmãos) para propor uma forma de vida com “sabor a Evangelho”. E o Papa Francisco intitulou a encíclica com essa expressão de São Francisco, dirigindo-se a todos os homens de boa vontade, para “fazer renascer, entre todos, um anseio mundial de fraternidade” (N. 8).

A partir da parábola do Bom Samaritano, o Papa afirma que “o amor constrói pontes e nós somos feitos para o amor". Por isso precisa “pensar e gerar um mundo aberto", promovendo a "cultura do encontro", aberto ao mundo inteiro, inclusive aos migrantes, desenvolvendo uma “política melhor”, que representa uma das formas mais preciosas da caridade, porque está a serviço do bem comum e conhece a importância do povo.

O Papa chega até a citar um brasileiro, o poeta e cantor Vinícius de Moraes quando, no “Samba da Bênção”, afirma que "a vida é a arte do encontro, embora haja tanto desencontro na vida” (N. 205). E nos percursos de um encontro, o Papa sublinha que a paz é "proativa" e visa formar uma sociedade baseada no serviço aos outros e na busca da reconciliação e do desenvolvimento mútuo, até valorizando o perdão. Perdão, ele esclarece, não significa impunidade, mas justiça e memória, porque perdoar não significa esquecer, mas renunciar à força destrutiva do mal e da vingança. A encíclica termina mostrando que as Religiões devem colocar-se a “serviço da fraternidade no mundo".

Os cristãos, juntamente com todos os homens de boa vontade, são chamados a construir um mundo diferente, que supere as divisões políticas, sociais, econômicas, religiosas e culturais.

Lino Rampazzo é Doutor em Teologia e Coordenador do Curso de Teologia da Faculdade Canção Nova (Cachoeira Paulista-SP). 

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.