Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O Estatuto do idoso (Lei n. 10.741/03) representou um grande avanço para os cidadãos brasileiros que contam com 60 anos ou mais. O art. 16 da referida Lei representa um destes avanços:

 “Art. 16. Ao idoso internado ou em observação é assegurado o direito a acompanhante, devendo o órgão de saúde proporcionar as condições adequadas para a sua permanência em tempo integral, segundo o critério médico.”

Referido dispositivo assegura ao idoso o direito de contar com um acompanhante quando estiver internado ou em observação. Por conta disso, a ANS editou a Resolução normativa n. 428/2017, obrigando os planos de saúde a custearem gastos de acompanhantes de idosos internados.   

Neste sentido, o STJ assim se manifestou em caso no qual houve recusa à cobertura: “Diante da obrigação criada pelo Estatuto do Idoso e da inexistência de regra acerca do custeio das despesas de acompanhante de paciente idoso usuário de plano de saúde, a Agência Nacional de Saúde Suplementar definiu, por meio de resoluções normativas, que cabe aos planos de saúde o custeio das despesas referentes ao acompanhante do paciente idoso. O Estatuto do Idoso é norma de ordem pública e de aplicação imediata, devendo incidir inclusive sobre contratos firmados antes de sua vigência.”

A figura do acompanhante foi reconhecida como fundamental, tendo em vista que é essencial para a recuperação do paciente idoso, o que impede a recusa do plano em custear as despesas do acompanhante.

Com efeito, a legislação e resoluções da ANS reconhecem que o plano de saúde deve arcar com gastos do acompanhante não apenas de idosos, mas também de pessoas portadoras de deficiências, menores de 18 anos e gestantes.

Assim, caso tenha havido a negativa de cobertura dos gastos pelo plano de saúde, é possível, judicialmente, requerer a devolução do valor gasto e, dependendo do caso, o pagamento de indenização por danos materiais e morais.

Em tempos de COVID-19 este entendimento pode ser restringido, evitando o risco de contágio, sendo aplicável quando não houver contraindicação médica de acompanhantes.

Thiago de Abreu e Silva, Advogado – Londrina - Pr

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.