Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Em meio a uma de suas insónias da ansiedade, o poeta Fabiano de Abreu descreve o limite humano em suas memórias e lamenta o fato de não gravarmos 100% do que vemos a provar que não somos tão perfeitos: 

"Fico triste quando quero me lembrar dos momentos detalhados, da maneira que o vi e não consigo. Isso me faz pensar como sou limitado e biológico como um esqueleto, pele e músculos que um dia irá sumir."

Tema

Me dá um tema que faço uma frase

Me dá o lema para seguir a direção 

Ainda me confundo onde pôr a crase

Mas nada impede de escrever com o coração 

Queria que fôssemos soberanos

Pois nada sabemos e nada somos 

Ou não esqueceríamos alguns momentos 

Aquele pensamento que vem embasado

A faltar trechos do passado

Me dê argumento para minha frase

Por que não somos tão soberanos

Para inventar temas que não tenha passado 

Pois somos tão óbvios e parecidos

Que nos faz pensar que de sabidos 

Somos apenas esqueleto a ser enterrado

(Fabiano de Abreu)

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.