Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Quando os interesses solertes prevalecem extravasando todas as virtudes, até aliar-se ao diabo em busca do poder vale a pena, é o que presenciamos na propagada dobradinha Lula/Alckmin ao Planalto.

País político vergonhoso sem memória. Antes, inimigos políticos, agora a sem-vergonhice política os aproxima.  

Votar é perder tempo. É dar emprego a político sacripanta, enquanto você e muitos podem estar desempregados. É manter o Erário em constante dilapidação pela corja política, que não se preocupa com a situação de miserabilidade do povo despossuído, o qual só é lembrado em época de eleição. 

Vale aqui recordar algumas “amenidades” da dobradinha sinistra: 

- Em 2006, Lula disse que Alckmin era especialista em destruir estado. Chamou Alckmin de troglodita de direita. 

-  No mesmo ano, no período de campanha, Alckmin disse que, diferentemente de Lula, ele não “convivia com o crime” e acusou o ex-presidente petista de “chefe de quadrilha” em relação ao escândalo do mensalão. 

 “Que tempos são esses em que um procurador-geral da República denuncia uma quadrilha de 40 criminosos que tem na lista ministros, auxiliares e amigos do presidente? Que tempos são esses em que cada vez que ouvem uma notícia sobre a quadrilha dos 40, os brasileiros pensam automaticamente em silêncio: ‘e o chefe, onde está o chefe, o líder dos 40 ladrões’”, disse Alckmin em um comício em Minas Gerais, em 2006. 

- Em 2017, quando assumiu a presidência do PSDB e era pré-candidato à presidência do Brasil nas eleições de 2018, Alckmin disse que o ex-presidente fazia um “discurso lulapetista para reinar”. O então tucano enfrentaria Lula nas eleições caso o petista não tivesse sido preso. 

 “Os brasileiros não são tolos e estão vacinados contra o modelo lulapetista de confundir para dividir, de iludir para reinar. Mas vejam a audácia dessa turma. Depois de ter quebrado o Brasil, Lula diz que quer voltar ao poder, ou seja, quer voltar à cena do crime. Será que os petistas merecem uma nova oportunidade? Fiquem certos de uma coisa: nós os derrotaremos nas urnas”, disse Alckmin em 2017. 

Dá nojo percorrer o histórico de divergências políticas da dobradinha sinistra. O Brasil não merece mais um castigo, pois, já desgraçaram o país: Fernando Collor, Sarney, Lula, Dilma e Jair Bolsonaro. 

Chega de aventureiros na direção do país. O país precisa de um presidente com envergadura moral para trabalhar pelo Brasil. Somente incautos sem amor ao país podem votar em Lula ou Bolsonaro. 

O Brasil merece nova cabeça política, sem as artimanhas dos velhos políticos. E Sérgio Moro é um nome a se comemorar, pois não lhe faltam atributo moral, coragem para combater a corrupção política e competência para minimizar a ausência de segurança pública brasileira. Sem esquecer que bilhões de reais foram repatriados, graças à atuação de Moro na Lava Jato. 

Júlio César Cardoso  - Servidor federal aposentado - Balneário Camboriú-SC - juliocmcardoso@hotmail.com

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.