Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

É auspiciosa a notícia de que a General Motors prepara o transporte por ferrovia, hidrovia e navegação de cabotagem de seus veículos de exportação aos países vizinho. Principalmente porque, segundo a própria montadora, existem outros negócios que também poderão participar do esquema. Oxalá o projeto vingue e os nossos milhares de quilômetros de linhas férreas abandonados ou subutilizados possam voltar à ativa e, mais que isso, servir de alternativa para o transporte hoje realizado por rodovia a preços superiores ao dos outros modais e, ainda, com agravante da saturação das estradas. Que, além das ferrovias, os governos – federal e estaduais – providenciem o efetivo funcionamento das hidrovias, hoje com cronograma atrasado por falta de investimentos. Se não existem recursos púbicos a investir, que os trechos sejam leiloados à iniciativa privada e o poder público atue apenas na fiscalização, como é o aconselhável em todos os setores.

Na Europa, além do transporte massivo de passageiros, o trem é o meio ideal para a movimentação de cargas, que também seguem por hidrovia e navegação marítma, tudo integrado num sistema onde o caminhão faz apenas as pontas, levando o produto do fabricante ao terminal mais próximo e do terminal de destino ao consumidor. Chamam a atenção, por exemplo, os barcos “cegonheiros” que circulam pelos rios e canais da Bélgica transportando veículos. Coisa que poderíamos ter no Brasil sem favor algum e com os benefícios de tarifas menores.

Em vez de empregar seu dinheiro na criação de trustes nacionais e para custear obras em países que dificilmente pagarão pelos empréstimos contraídos, o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) precisa ser direcionado para sustentar o desenvolvimento da economia nacional, inclusive a geração de empregos. Emprestar recursos para grupos privados que venham a arrematar lotes ferroviários, hidroviários e de navegação costeira é uma opção.

O Brasil possui hoje 27,8 mil quilômetros de ferrovia, mas apenas um terço é produtivo, a maior parte transportando minério. É o equivalente ao tempo do Império, quando as ferrovias somavam um terço da extensão atual. São muitas as narrativas sobre a derrocada do setor, mas o importante é que a política seja revertida e esse patrimônio novamente colocado a serviço do desenvolvimento do país. O quilômetro de ferrovia, para construir, custa sete vezes e meia o de rodovia. Mas sua produção em larga escala pode ser a solução aos transportes, tanto em fretes mais baratos quanto no descongestionamento da malha rodoviária, reservando-a para menores percursos, cargas rápidas e de elevado valor agregado.

O Brasil precisa reequilibrar seus modais de transporte. Não há razão para o caminhão continuar atravessando o país com uma pequena carga – de grãos, combustíveis ou até manufaturados - que poderia chegar com mais segurança e competitividade se conduzida no trem ou em barcaças. Nada contra o caminhão;  apenas racionalidade no seu emprego...  

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.