Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O governo só deve atuar empresarialmente nas áreas básicas onde não há o particular interessado ou com poderio econômico para fazê-lo. O dinheiro, que é do povo, só deve ser empregado nesses setores estratégicos quando de sua implantação. Ocorrendo a maturação e a possibilidade de caminhar com as próprias pernas, tudo deve ser privado, sob licenciamento e fiscalização do poder público e agências de controle. Até porque, diferente da verba pública, o capital privado não suporta desaforos e o empreendedor que não o tratar adequadamente irá à bancarrota, abrindo vaga para outros mais competentes. Temos no Brasil bons exemplos de privatizações que contribuíram para o desenvolvimento, como as das companhias telefônicas e assemelhadas, rodovias, aeroportos, siderúrgicas e outros negócios que davam prejuízos quando públicos e hoje são lucrativos. Há ainda o caso das ferrovias, que privatizadas erroneamente  foram ao abandono, mas agora são resgatadas gradativamente em novo modelo.

Privatizar tem sido a promessa dos sucessivos governos, embora alguns só a tenham feito com o objetivo de abocanhar os votos da população privativista. Estiveram certos os governos que investiram na criação da infraestrutura. Mas erraram fragorosamente os que cederam às pressões dos meios estatizantes e com isso promoveram o inchaço e até ensejaram a corrupção nas empresas governamentais. Fernando Henrique Cardoso teve a coragem de por a mão na massa, mas Lula e Dilma rumaram na direção contrária e Michel Temer, face à polarização política que seu governo enfrentou, não teve forças para avançar nas propostas privatizantes. Bolsonaro enfrentou o engavetamento dos projetos já submetidos ao Congresso e não conseguiu colocar o programa no ritmo desejado. Agora, removidos os engavetadores da presidência das casas legislativas, o governo volta à carga com os projetos privatizantes, para a  votação do conjunto dos deputados. Independente de aprovar ou rejeitar a privatização, o resultado será essência da democracia. É imprópria a existência de proteladores como os que têm travado nossa Republica. Eles só existiram devido a omissão dos demais, mas hoje parecem ser velhas coisas do passado.          

O país não precisa de empresas estatais. Elas farão melhor papel à sociedade e à economia nacional se operadas pelo setor privado e sujeitas ao livre mercado. Não podemos continuar pagando a imensa legião de apadrinhados políticos e de concursados de elevadas mordomias que infestam as estatais e impedem que seus produtos sejam competitivos. Eletrobrás, Correios e a própria Petrobras – que hoje está no olho do furação – são gravosas à Nação e só beneficiam os seus privilegiados servidores, detentores de benesses jamais encontradas na vida real do mercado. Isso precisa acabar e o dinheiro público que se despende para tapar o rombo ou investir em estatais terá melhor destino se aplicado em Educação, Saúde, Assistência Social, Segurança Pública e outros serviços de obrigação governamental. Governo nenhum tem a obrigação de criar superempregos para uma casta que se forma ao redor de suas empresas como verdadeiros sanguessugas e atrasadores do desenvolvimento nacional.

 “Em janeiro (de 2019), quando assumimos o governo, encontramos 134 estatais. Fizemos uma revisão nos números e, decorridos esses primeiros nove meses, encontramos mais de 600 negócios nos quais o governo tem participação. Estamos buscando transparência para que sociedade saiba onde o dinheiro do pagador de impostos foi investido no passado”, declarou o Secretário Especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados, Salim Mattar. O secretário deixou o posto no ano passado, por não ter consguido avançar.

Espera-se que, agora, o governo deslanche e finalmente transfira seus ativos empresariais a quem possa melhor geri-los e mantê-los fora do alcance dos contumazes aproveitadores. Só assim poderemos nos tornar competitivos no mundo globalizado e de fronteiras cada dia mais imperceptíveis...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br 

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.