Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O que mais se tem visto, nos últimos tempos, é as diferentes correntes defendendo ardorosamente a democracia. Quando falam de si, apresentam-se como autênticos democratas e, ao mesmo tempo, atribuem aos adversários as incômodas fantasias de golpista, ditador, genocida e outros atributos que o povo precisa de dicionário para saber o significado. Diante da premissa de que todos lutam pela democracia, chegar-se-ia à conclusão de que o regime democrático não deve estar sob ameaça. Porém, é de bom alvitre inquirir e compreender com que tipo de democracia cada segmento político sonha. Será que é o mesmo? Provavelmente não.

Desde que me conheço por gente - e já se vão sete décadas – mais o que tive a oportunidade de pesquisar no passado político-institucional do país, sempre deparei com a democracia colocada como ideal de todas as correntes políticas e ideológicas. Como é que figuras tão diferentes e na maioria das vezes antagônicas podem remar numa mesma direção? – pensava. Todas as vezes que grupos autoritários assumiram o poder, justificaram ser para "preservar a democracia". Seus adversários também se classificavam como democráticos, mesmo quando pegavam em armas. A democracia foi a grande pedra de toque a partir da Nova República, instalada em 1985. Mas isso não nos impediu de ter governantes adeptos da ditadura do proletariado e de outros regimes de força e até acusados de desviar o dinheiro do povo brasileiro para sustentar seus ditadores amigos.

Os ditos democratas dos anos 80 tentaram o parlamentarismo. Como o povo rejeitou, no plebiscito de 1993, vieram os governos de barganha, onde os governantes loteavam cargos do governo e liberavam benesses em troca dos votos parlamentares. Distanciados do povo, os donos do poder não realizaram as reformas necessárias. Só depois do impeachment de Dilma Rousseff é que passou a reforma trabalhista e depois a da Previdência. Bolsonaro elegeu-se com a promessa de acabar com o loteamento do governo. Assim o fez e sofre a retaliação dos parlamentares outrora viciados em vantagens. Esse descontentamento somado à pregação permanente de Lula e do PT, que buscam recuperar o prestígio perdido, nos trouxe à atual crise.

Infelizmente, temos hoje em rota de colisão os três pilares da Republica – Legislativo, Executivo e Judiciário – que deveriam ser independentes e harmônicos. O Supremo Tribunal Federal invade áreas de atribuição dos outros poderes. Já impediu o presidente da República de exercer atribuições que lhes são legítimas, prendeu um parlamentar (e a Câmara, sem força, concordou), montou processos onde é autor, investigador e julgador, e mandou o Senado abrir a CPI da Covid, sendo obedecido pelos senadores.

Intransigência, transigência e voluntarismo fazem o quadro da crise. O povo é chamado a se manifestar em 7 de setembro e não dá para prever o que poderá ocorrer. Até porque o povo é chamado, mas quem o chama não diz claramente a favor ou contra o quê deve se manifestar. Torcemos para que a razão fale mais alto, as manifestações sejam pacíficas e parem as escaramuças; cada um cumpra o seu dever sem o risco de quebra institucional. Mas, para isso se concretizar, os envolvidos na crise precisam ser mais cordatos,  aterem-se àquilo que a Constituição determina para seus postos, sem transigir, inovar ou buscar interpretações diferentes das que moveram os constituintes de 88. É preciso considerar, no entanto, que de nada adiantará negociar e manter as aparências se não pararem as desinteligências e os deslizes constitucionais.

Sem que todos entendam, respeitem e pratiquem o artigo 2º da Constituição (“são Poderes da União, independentes e harmônicos entre si, o Legislativo, o Executivo e o Judiciário”), a crise não se resolverá e o futuro será incerto...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br 

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.