Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Hodiernamente, nenhum tema é tão candente quanto o retorno às aulas presenciais, que envolverá 48 milhões de estudantes da Educação Básica e mais 8,4 milhões do Ensino Superior. Como tudo o que se refere à Covid-19, há polarizações exacerbadas, estatísticas para todos os gostos e as fake-news que se espalham como ervas daninhas. E quando as versões contrariam a ciência, pior para a ciência.

O retorno de muitas áreas e atividades à quase normalidade está num ritmo frenético demais em todo o país – muitas vezes à revelia das leis e das autoridades –, e a expressão “fique em casa” passou a ser substituída por “ninguém aguenta mais”. E aí mora o problema: esse esgarçamento desmesurado – tipo fadiga de quarentena – está levando parte da população à irresponsabilidade: desde os rolês e churrascos aos bares, raves e praias, sem os cuidados mínimos de distanciamento e uso de máscaras. Viralizou um meme de uma foto em uma de nossas praias coalhada de guarda-sóis, encimada por uma pergunta: e aqui não há alunos, nem professores?

Tais aglomerações – fontes incontestes de contágio – devem ser repudiadas para a tão almejada redução das curvas de contágio e de mortes, bem como para o retorno pleno dos serviços, comércio e indústria (e assim alavancar o emprego, a economia e até o orçamento público) e, tão necessário quanto, para a reabertura das escolas ao ensino presencial. Todo o problema que se queira resolver deve ser enfrentado, e estamos apenas tangenciando, postergando, feito um tear de Penépole, em relação ao tema reinício das aulas presenciais. É uma ilusão esperar pelas condições ideais, uma vez que esse vírus capiroto já sinalizou que não vai dar esta canja tão cedo.

E sempre oportunas são as palavras de Roberto Campos: “o debate honesto pressupõe conhecimento da causa”. Há excessivas tergiversações nas redes sociais e, em parte da mídia, uma imbricação de temas e argumentos fúteis. Até mesmo decisões judiciais extremadas, como no Rio de Janeiro, onde se concedeu liminar ao Sindicato dos Professores para proibir o retorno às aulas até que todos os alunos e docentes fossem vacinados. O bom senso prevaleceu com a suspensão desta liminar, depois de vários dias de embates nos tribunais. Os professores devem fazer parte da solução e não do problema – é o que pensa a maioria de nós –, numa atitude de cidadania e comprometimento com a boa educação.

 “Estamos condenando esta geração de crianças e jovens. Os riscos são pouquíssimos” –, defende com ardor a psicóloga Viviane Senna, presidente do Instituto Ayrton Senna. Nesta semana, OMS, Unicef e Unesco fizeram, no mesmo sentido, um apelo aos governos para que coloquem a abertura de escolas como prioridade. Segundo as entidades, ainda não existem evidências suficientes para declarar que foi a reabertura de escolas que eventualmente agravou a transmissão da Covid-19 nas comunidades que a realizaram, quando as medidas de proteção e de saúde foram devidamente adotadas.

Há dois meses, as escolas privadas de Manaus retornaram às suas atividades presenciais e nenhum caso de registro de infecção pelo coronavírus. Com bom planejamento, seguiram os 6 eixos principais – sobejamente conhecidos e exequíveis –  com base nos padrões internacionais. O reinício deu-se gradual e não obrigatório, com turmas de 4 alunos e hoje com cerca de 15. É justificável o receio, pois os pais foram estimulados desde o início da pandemia pelas necessárias e intensas campanhas pelo isolamento por parte da mídia e dos governos. Aos poucos, parte do medo acaba se dissipando quando a família visita a escola e presencia um ambiente com uma rotina que segue todas as normas recomendadas. E regras de ouro existem para bons resultados na reabertura: retorno gradual, respeito ao livre arbítrio dos responsáveis pelos alunos e rigor na implementação dos protocolos de higiene e biossegurança.

Todavia, no Brasil, 9 estados ainda estão sem prazo algum para o reinício das aulas. Nos demais, a retomada é escalonada e cuidadosa – o que se faz mister. Em vários países da Europa, as escolas foram liberadas antes do comércio: naqueles pertencentes à OCDE as instituições de ensino permaneceram fechadas por 98 dias em média, com destaque para a França, 56 dias, e a Alemanha, 68. No Brasil, já vivemos mais que o dobro disso, tendo já sido ultrapassada a marca dos 200 dias. Estamos num dos lugares mais altos do pódio, juntamente com o Paraguai. O Uruguai estabeleceu protocolos de volta às aulas assim que a curva de infectados começou a apresentar redução. Manter as escolas fechadas por tanto tempo tem elevados impactos negativos, entre eles o aumento significativo das evasões e o comprometimento das condições socioemocionais dos discentes.

Por outro lado, neste momento, uma abertura ampla seria uma insanidade, pois a média móvel é ainda alta, mesmo que em recente tendência de desaceleração. Os estados que já retornaram ou agendaram o reinício levaram em conta as condições imunológicas e o baixo índice de transmissibilidade nas regiões liberadas, sendo priorizadas as escolas mais bem estruturadas para atendimento às condições de biossegurança. E se houver unidades escolares com eventuais casos de contágio? Seguem-se os protocolos dos agentes de saúde e os isolamentos pontuais e cirúrgicos. Afinal, não foi assim que agiram alguns países, como França e Israel, ou mesmo em escolas públicas do Amazonas?

Se é importante que sejam estabelecidos prazos para a abertura, mais que isso é necessário definir-se o “como abrir”, tema este que se deveria debater. Essa tarefa exigirá semanas de um bom planejamento organizacional e financeiro, bem como da complexa e dispendiosa reconfiguração do espaço físico e implementação das normas sanitárias e de biossegurança. Tudo será diferente, se comparado com o retorno após as tradicionais férias de verão, sempre festivo, com abraços efusivos e aquela algaravia que soa como música aos ouvidos dos educadores.

Agora estamos vivenciando um período excepcional de afastamento de 6 meses, do qual advêm não só alunos, mas também professores e funcionários que passaram ou ainda estão passando por experiências negativas, até mesmo traumáticas, como insegurança, descontrole emocional, perda de renda, óbitos de familiares ou conhecidos. A ênfase das primeiras semanas é o acolhimento, o vínculo afetivo, correção de disparidades de aprendizagem, equalização dos conteúdos de cada componente curricular. O discente vai encontrar outra escola, seja antes, durante ou após as aulas. Não menos fácil será estabelecer a divisão entre os conteúdos que serão presenciais ou remotos, uma vez que não será viável um retorno pleno no curto e médio prazo. Mais do que nunca, escola e família devem ser parceiras; mais do que nunca, a direção deve manter uma boa comunicação e transparência diante da comunidade escolar, pois haverá revezes, imprevistos ocorrerão.

Jacir J. Venturi, professor, foi diretor de escolas públicas e privadas, e docente da UFPR, PUCPR e Universidade Positivo

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.