Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Com a declaração de pandemia pela OMS, estamos vivendo medidas drásticas de isolamento social e restrição de circulação, mas outro problema se torna importante: as eleições municipais em outubro deste ano. Em tempos de normalidade, as articulações políticas e organização da disputa eleitoral estariam a pleno vapor, mas estamos em um momento de exceção. Diante de tal quadro, está em tramitação na Câmara dos Deputados a PEC 56/19, com o objetivo de prorrogar os mandatos dos atuais prefeitos e vereadores, mantendo-os no exercício do cargo até 2023, sem que a população seja consultada sobre sua permanência.

Resolver problemas complexos com soluções mágicas não é uma boa saída, ainda mais quando falamos de algo tão caro para os sistemas democráticos, como a escolha de representantes. Tal alteração, aparentemente simples, colocará em xeque valores fundamentais da nossa república, como a periodicidade dos mandatos eleitorais e o voto direto. Ampliar mandatos parece uma decisão sensata, mas pode ser algo “viciante”, que pode abrir caminho para a ampliação de novos mandatos e ser fatal para nosso sistema democrático. Consultar o povo de maneira periódica sobre a permanência ou não de seus políticos é um ponto elementar das democracia, e deixar isso de lado não é algo negociável. A extensão dos mandatos pode ferir a periodicidade das eleições, tendo em vista que essa ampliação não foi aventada antes do período eleitoral de 2016. É como se estivéssemos disputando um jogo e no meio do caminho as regras fossem alteradas, com toda certeza algum participante se sentirá injustiçado, e isso é muito grave para um modelo democrático.

Muitos especialistas consideram que a ampliação dos mandatos é uma saída para a unificação das eleições em todas as esferas, onde o eleitor votaria para todos os cargos, desde presidente até vereador em um único momento. Tal lógica de unificação não me parece algo apropriado pela complexidade de nosso modelo político, e me parece o fim das discussões em âmbito municipal e até mesmo estadual, que serão eclipsadas pelas eleições em âmbito federal. Modelos democráticos que adotam a unificação das eleições para todos os cargos, não tem a lógica de descentralização do poder político que temos, e são modelos no qual a administração municipal é uma mera extensão do governo central.

Outro ponto a ser pensado, é que a periodicidade dos processos eleitorais garante escolhas importantes, como a eleição de novos mandatários e, principalmente, a reprovação de políticos que não atenderam nossos interesses. O movimento de recondução de mandatos, sem consulta popular, retiraria a grande vantagem de nosso sistema eleitoral, que é o poder de escolha. Imagine que você está diante de uma catástrofe política na sua cidade, você permitirá que a pandemia reconduza uma administração incompetente por um período de mais dois anos, sem ao menos ser consultado?

Sou contrário à extensão de mandatos sem consulta popular, mas acredito que o processo eleitoral acabará sendo adaptado para as eleições 2020, com alterações constitucionais que não mudem a periodicidade ou o tempo de mandatos, evitando assim que tenhamos uma futura pandemia política.

Francis Ricken, advogado, mestre em Ciência Política, professor da Escola de Direito e Ciências Sociais da Universidade Positivo.

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.