Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Depois de experimentar o gostinho da mudança prometida – com o presidente escolhendo seus ministros sem a imoral barganha com congressistas, partidos e segmentos influentes – o eleitor vê, com um misto de indignação e descrença, os movimentos pela negociação dos projetos da reforma da previdência e da lei anticrime no Congresso Nacional. Fala-se abertamente em ouvir parlamentares para a nomeação de dirigentes federais nos estados, da liberação de emendas parlamentares e do descontentamento dos legisladores que poderá levar ao irresponsável retardo ou rejeição das matérias, consideradas fundamentais para o país. As reformas são patrimônio do Estado, não pertencem aos poderes, partidos e nem aos políticos, assim são inegociáveis. A se confirmar o quadro adverso, teremos mais do mesmo que levou o país à bancarrota. Precisamos virar a página porque o modelo implantado a partir de 1985, na chamada Nova república, já se exauriu e deu problemas e o povo, pelas eleições, optou por novos rumos.

A idéia é que, quando encaminha um projeto para a Câmara dos Deputados ou Senado, o Executivo já tenha realizado os estudos e optado por aquilo que o presidente e seus  técnicos consideram o melhor para a solução dos problemas. Uma vez entregue na cada legislativa, o caminho natural,ético e moral é a matéria ser criteriosa e honestamente analisada e aperfeiçoada pelos parlamentares, que têm o dever de fazê-lo em nome do povo que os elegeu. Votado, sem qualquer tipo de interferência ou negociação por parte do Poder Executivo, o projeto volta ao Executivo para  sua promulgação e entrada em vigor. Nessa fase, o governante tem a alternativa de vetar as mudanças com as quais não concorda e, aí, tudo retorna para o congressista discutir e votar o veto. Se mantido o veto, a matéria vai ao Executivo para promulgação e na hipótese contrária, de rejeição do veto, quem coloca em vigor é o presidente do Congresso. O poder contrariado ainda tem a oportunidade de pedir a mediação da Justiça.

Por uma questão institucional e de respeito ao eleitor, a palavra negociação deveria ser banida da relação Executivo-Legislativo. Substituída por  cumprimento do dever. Tanto o Executivo quanto o Legislativo atuam por delegação dos que elegeram seus titulares. O ato de negociar soa lesivo. E coisas do Estado são inegociáveis. Existem apenas o certo e o errado e nada mais. Foi a nefanda negociação que maculou as relações políticas e transformou em presidiária, ré, investigada, denunciada ou suspeita majoritária fração da classe política brasileira. Espera-se que cada membro desse solene processo esteja à altura de sua importância e desempenhe seu papel com honestidade, decência, lealdade e patriotismo. Deixe sepultada no passado a maldita negociação que abriu as portas da corrupção e levou o país à crise, sendo hoje confundida com negociata. Importante: Essa relação altiva entre Executivo e Legislativo é pedra fundamental da estabilidade política e da democracia. E tem de estar presente entre presidente da República e congressistas, governadores e deputados estaduais e prefeito com vereadores...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.