Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Existe uma preocupação constante, anunciada em jornais, redes sociais, e tantos outros órgãos da sociedade, sobre o respeito que se deve ter para com os idosos. Para mim, essa preocupação é desnecessária. Por quê? Porque respeitar o idoso, seja quem for, é uma obrigação e um sentimento que vai além da caridade e do amor, pois deve ser algo inerente e eterno ao ser humano.

Assistimos enlevadas e emocionadas cenas de animais respeitando seus pares mais velhos. Dando atenção e guarida até a morte do membro “idoso” do grupo. E nós, seres inteligentes e evoluídos, temos que fazer campanhas, movimentos sociais, eventos, para conclamarmos o respeito aos idosos? Algo que deveria ser um dever inalienável de qualquer pessoa mais jovem e um direito (também inalienável) de qualquer pessoa idosa.

A questão é que estamos ficando velhos e não nos preparamos para isso. Em sete décadas, a média de vida do brasileiro aumentou 30 anos, saindo de 45,4 anos, em 1940, para 75,4 anos, em 2015. De acordo com o Ministério da Saúde, em 2030, o número deve superar o de crianças e adolescentes de 0 a 14 anos. Mas já estamos sentindo agora o aumento no número de idosos desamparados pela família. Os albergues públicos estão lotados e a demanda por vagas entre pessoas de mais de 60 anos não para de crescer, segundo estudo do Ministério do Desenvolvimento Social.

Segundo o IBGE, entre 2012 e 2017, a população de idosos no País saltou 19,5%, de 25,4 milhões para mais de 30,2 milhões de pessoas. No mesmo período, o número de homens e mulheres com 60 anos ou mais nos albergues públicos cresceu 33%, de 45,8 mil para 60,8 mil. O desamparo familiar cresce mais rápido que a expectativa de vida — e o Brasil precisa de um projeto para reforçar os cuidados prolongados e a assistência na velhice.

Atrevo-me a dizer que quem não respeita os mais velhos, os idosos, é alguém sem alma e sem compaixão. Pessoas que pavimentaram as estradas por onde nós, os mais jovens, estamos trafegando, que nos legaram um país maravilhoso pelo trabalho árduo e dignificante, que abriram picadas, para que os mais jovens pudessem caminhar seguros e de cabeça erguida, têm que ter movimentos e ações sociais para serem protegidos? Isso é um disparate sem precedentes.

Para que os idosos de hoje e do futuro tenham qualidade de vida, é preciso garantir direitos em questões como saúde, trabalho, assistência social, educação, cultura, esporte, habitação e meios de transportes. No Brasil, esses direitos são regulamentados pela Política Nacional do Idoso, bem como o Estatuto do Idoso, sancionados em 1994 e em 2003, respectivamente. Mas regulamentar não basta.

É urgente que a sociedade tenha a consciência do respeito à terceira idade, para que os idosos tenham uma vida digna em qualquer espaço público, em qualquer lar, em qualquer grupo social. Sem precisar de lei ou campanha que o privilegie, mas que o respeito e a gratidão sejam suficientes. Desenvolver no coração de todos nós um amor e um respeito natural a qualquer cidadã ou cidadão idoso, uma segurança, proteção e carinhos por todo nós, seres humanos, tão grande e majestoso, como dos animais irracionais para com seus idosos do grupo. Vamos aprender a fazer crescer em nós, dentro de nossas almas, um sentimento que já existe ali, mas que esquecemos de regá-lo, adubá-lo, e que tem o nome de fraternidade, para criarmos uma sociedade que tem como Lei eterna o amor pelos nossos idosos. Antes que seja tarde demais.

Cida Leit é fotógrafa e voluntária, membro do Rotary Club Curitiba Rebouças e da Soroptimist International of The Americas - Região Brasil.

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.