Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Muitas vezes tratamos o “luto” somente como a perda de uma pessoa que amamos. Mas podemos considerar também como luto um “relacionamento que terminou”, um “trabalho que não deu certo” e até mesmo uma “demissão inesperada”.

Este tempo de “luto” é um tempo para absorvermos o que aconteceu, necessário para que possamos refletir e nos organizar a partir desse momento. Segundo uma pesquisa realizada pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), “O luto é um processo emocional saudável, importante para a manutenção da saúde mental, que se desenrola em função de uma perda, real ou abstrata.” Na década de 1960, no entanto, a psicóloga suíça Elisabeth Kübler-Ross (1926-2004) descreveu cinco fases que, de maneira geral, compõem o processo do luto:

A negação - quando a pessoa tenta negar a existência do problema ou situação e, às vezes, evita até falar sobre o assunto. “Isso não pode ser verdade!”, pensa;

A raiva - é comum aparecer revolta e ressentimento quando a pessoa se dá conta da perda. “Por que eu?” É o pensamento recorrente;

A negociação - quando a hipótese da perda começa a se concretizar, é comum que a pessoa tente reverter a situação, fazendo um acordo consigo, com outra pessoa ou com Deus;

A depressão - ocorre quando a pessoa toma consciência de que a perda é inevitável. Tristeza, desolação, apatia e medo são sentimentos comuns nessa fase. Não deve ser confundida com a doença diagnosticada como depressão, que envolve um desequilíbrio químico e necessita tratamento específico;

A aceitação - é a fase que a pessoa aprende a viver sem aquilo que perdeu. Não significa esquecer ou não sentir mais tristeza ao se lembrar do fato.

A situação que nos ocasionou o luto jamais será esquecida, mas será amenizada com o passar do tempo. E o que nos faz seguir adiante? Uma mãe que perde um filho, por exemplo, jamais o esquece, mas ela precisa seguir adiante. Essa força tem nome: é a “esperança”. Papa Francisco, tem nos ensinado que passar a vida se lamentando: acontece com quem “prefere a falência”, “não suporta a esperança”, “não suporta a ressurreição de Jesus”. A esperança precisa ser a nossa companheira nos momentos difíceis, e ela pode se manifestar de várias formas: por um afeto de um amigo, uma música com uma melodia que nos traz bons sentimentos e até mesmo por uma partilha de um sacerdote. Que tenhamos sempre o nosso olhar sensível para esses gestos, que o nosso olhar possa estar sempre voltado para Deus. Por mais difícil que seja uma situação, e que aparentemente falte a “esperança”, Ele é quem  gera toda “esperança” em nosso coração.

Paula Guimarães é missionária da Comunidade Canção Nova, palestrante, administradora, jornalista, apresentadora da TV Canção Nova e mestre em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP. É autora dos livros “Como ser feliz em família – 15 passos para encontrar felicidade em seu lar”, “Esperança cadê você? O que fazer para não entrar em desespero” e “TV Canção Nova – A vida por trás das câmeras”, pela Editora Canção Nova. facebook.com/paulacancaonova    -  twitter.com/paulacancaonova   -  instagram.com/paulacancaonova

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.