Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A vacinação contra a Covid-19 começou, no Brasil, em 17 de janeiro. Até o dia 8 de fevereiro, o país imunizou 3.783.228 pessoas, segundo dados levantados pelo consórcio de veículos de imprensa junto às secretarias estaduais de saúde. Parece muito, mas esse número representa apenas 1,79% da população brasileira.

O Brasil demorou muito para aprovar o uso emergencial da vacina. Tão logo iniciou a campanha, muitas falhas no gerenciamento, que vão desde a distribuição e armazenamento até erros na aplicação vieram à tona. Nesse ritmo e com todos esses desafios, a imunização de boa parte dos brasileiros deve demorar um pouco.

Para se ter ideia, segundo estimativa feita pela consultoria Airfinity, a pedido da CNN Brasil, caso tudo ocorra bem durante a campanha, o Brasil levará dez meses para vacinar 75% da população. Mas, em um cenário ainda cheio de incertezas, essa hipótese pode não acontecer.

É preciso superar os entraves políticos e gerenciais criados em torno da vacina para conseguir imunizar o máximo de pessoas ainda em 2021. O brasileiro tem pressa, pois a pandemia tem tirado não só a vida, mas também o emprego e os sonhos dos trabalhadores. E a situação tende a piorar: segundo pesquisa publicada pelo Instituto Brasileiro de Economia, da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), com o fim do auxílio emergencial, o número de miseráveis em território nacional tende a crescer absurdamente. Acreditamos que cerca de 4 milhões de brasileiros estão sujeitos a caírem na extrema pobreza, sobrevivendo com menos de quatro dólares por dia.

A retomada da economia só vai acontecer, portanto, com a vacinação em massa da população. O próprio ministro da Economia, Paulo Guedes, defendeu isso no final de 2020. Com a imunização das pessoas, as incertezas com o futuro tendem a cair, a confiança dos empresários aumenta e, com mais investimentos, novos postos de trabalho são criados e o consumo tende a crescer também.

Por outro lado, sabemos que o Brasil carrega, há muito tempo, a chaga da má gestão porque nunca se preocupou com um plano estratégico de nação. Entra e sai governo e o que vemos, a cada dia, é o diversionismo político gritante. Em plena pandemia, isso ficou ainda mais evidente e assustador. Sem contar que o mundo está ainda mais volátil e complexo. Daí a urgência de sairmos do amadorismo, da gestão do improviso.

Não restam dúvidas de que o país precisa da vacina para voltar a produzir. Contudo, é imprescindível que o governo federal encare a Covid-19 com mais cientificismo e menos negacionismo. Por isso, os profissionais de administração vêem na vacina condição sine qua non para retomada da economia e dos empregos. Vemos no imunizante a esperança para, ainda, restabelecer as atividades educacionais tão fundamentais para a formação de quadros profissionais diferenciados.

Enquanto isso, seguimos sonhando com o fim da pandemia, esperando com coragem e paciência a nossa vez na fila do imunizante. Mesmo com a vacina, temos conhecimento de que os protocolos sanitários de segurança como distanciamento social, higienização das mãos e uso de máscaras ainda serão necessários nas organizações para evitar o avanço da doença.

Mas, como bons administradores, estamos preparados para  ambientes cada vez mais complexos e disruptivos. Afinal, são as exigências dos novos tempos e, quem não estiver preparado - e vacinado - suncumbirá de vez.

Adm. Mauro Kreuz - Presidente do Conselho Federal de Administração -  anagraciele@comuniquese1.com.br

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.