Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Embora ainda em níveis superiores ao desejado, a estatística da Covid-19 revela que o país vem registrando, há 10 dias, a queda do número de mortos pela pandemia. É uma boa notícia e deve servir de incentivo para as autoridades sanitárias continuarem o trabalho de combate – especialmente a vacinação – e a população não baixar a guarda nos cuidados para evitar contrair o mal, que ainda circula. A determinação sanitária básica é de se manter o uso da máscara, lavar as mãos seguidamente com álcool gel ou água e sabão, manter o distanciamento pessoal de pelo menos um metro e meio e evitar aglomerações. A melhor alternativa, ainda, é não pegar o vírus, pois uma vez infectado, o futuro é incerto e, se o quadro evoluir para a internação e intubação, o paciente enfrentará sequelas e ainda poderá ir a óbito em razão das complicações adquiridas durante o tratamento.

Ainda há muita desinformação no mundo científico nacional e internacional em relação à pandemia que, do ponto de vista de moléstia, é nova e carece de pesquisas. As vacinas – que hoje já imunizam 78,4 milhões de brasileiros (37,6% da população) com a primeira dose e 27,8 milhões (13,13%) com das duas doses – estão evitando a ocorrência de mortes nos segmentos já imunizados. Agora, a maioria das cidades está vacinando a população entre 30 e 40 anos e assim deverá seguir nas próximas semanas e meses até atender todos os maiores de 18 anos e, possivelmente, o segmentos dos adolescentes e crianças, que ainda não está definido mas o surgimento de casos nessa faixa poderá incluí-lo. Embora haja discussões e divergências, não dá para esquecer a questão da imunidade de rebanho que ocorre quando aproximadamente 70% da população estão vacinados.

Com a disponibilidade de três vacinas – Cornavac, AstraZeneca Oxford e Pfizer/BioNTech – surgiu o fenômeno do candidato à imunização tentar escolher a marca do produto. Isso causa problemas de logística e tumultua o programa de imunização. Por conta disso, grande número de municípios vem adotando a solução radical. Quem quiser escolher a vacina, será colocado no fim da fila e só será atendido depois de toda a população. Prefeitos estão editando decretos nessa direção. Vale lembrar que dificilmente haverá vacina da marca pretendida para todos os interessados.

Ao mesmo tempo em que a pandemia sinaliza diminuição – a ponto de Manaus, que meses atrás esteve fora de controle não registrar, pela primeira vez desde a chegada da pandemia, mortes num período de 24 horas – temos a desmedida e inconsequente luta política travada em Brasília tendo a Covid-19 como pano de fundo. Os adversários do presidente Jair Bolsonaro trabalham diuturnamente na tentativa de encontrar uma forma de levá-lo ao impeachment. É um triste espetáculo que a classe política impõe à Nação e serve para que o povo tenha, a cada dia que passa, menos apreço pelos políticos. Somos pela apuração de todas as possíveis irregularidades cometidas no âmbito da administração pública e pela punição dos seus responsáveis. Mas tudo dentro de normas e sem o regime belicoso que hoje está estabelecido na capital federal dentro da malfadada CPI da Covid, que mira o presidente e faz questão de ignorar os governadores e até prefeitos – a maioria deles de oposição – que receberam o dinheiro federal para combater a pandemia mas, conforme casos já comprovados, dele fizeram mau uso.

A CPI até deveria existir, mas ter como propósito exclusivo apurar os problemas. Não deveria ser instrumento de ação política de oposicionistas que, no lugar da apuração dos fatos, procuram apenas a ação político-eleitoral e têm suas vistas voltadas para o pleito de 2022. Da forma que hoje está, é um retrocesso ao processo político brasileiro e, sem dúvida, flagrante ameaça à democracia. Precisa redirecionar seu foco...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.