Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O Brasil tem cerca de 11,5 milhões de servidores públicos distribuídos por todos os estados e desempenhando funções essenciais. É o caso dos profissionais de saúde, educação, segurança e dezenas de outras carreiras.

O Estado de São Paulo abriga quase 10% desse contingente. São 1,17 milhões de servidores também distribuídos por profissões muito importantes para o país.

Em nível nacional, os servidores são pouco valorizados e, quase sempre, culpados pelas mazelas do país quando, na verdade, dão uma indispensável contribuição para o desenvolvimento da nação. Em São Paulo, essa realidade é a mesma. Porém, com um fator adicional inexplicável: São Paulo é o único estado que não definiu teto salarial para os seus servidores públicos. Ou seja, os servidores públicos paulistas não podem receber o teto estabelecido em todos os demais estados do país e são, dessa forma, pior remunerados em relação aos seus pares.

Realmente, não faz sentido nem há explicação. O Estado de São Paulo dispõe da melhor força policial do Brasil e, tristemente, é o estado que menos paga para essa classe de servidores. É o pior salário do país! E não são apenas os policiais os prejudicados, mas professores, profissionais da área tributária e várias outras profissões...É inconcebível, além de se tratar de uma grande injustiça.

A expressiva maioria dos servidores públicos paga pela alta remuneração de dirigentes de empresas estatais, incluindo assessores especiais, diretores e presidentes. Muitos desses têm remuneração acima de R$ 1 milhão por ano. Há casos (e não poucos) de até R$ 3 milhões por ano!

Por outro lado, os servidores em geral nem teto salarial têm em São Paulo.

Ainda no governo Lula, entrou em vigor a Emenda Constitucional 41, que reduziu salários dos servidores em até 50%, já que ela autorizava corte de todos os valores que ultrapassassem o “teto” estipulado.

Um tempo atrás, o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo concedeu ganho de causa ao pleito dos servidores públicos por 12 x 0. Estávamos bem perto do que era justo, mas em um ato de inconstitucionalidade o governo federal recorreu ao Supremo Tribunal Federal, que decidiu que o corte era legal, atropelando a Constituição.

Fica a pergunta: por que o Estado de São Paulo não pode definir teto salarial equivalente a uma parcela da remuneração básica dos desembargadores, que corresponde a cerca de 90% do subsídio mensal dos ministros do STF? Todos os estados seguem essa regra. É realmente grande injustiça. Espero que quando a pandemia da Covid-19 passar esse tema seja discutido com a importância que merece. Os servidores paulistas não podem ser tão desvalorizados.

Antonio Tuccílio, presidente da Confederação Nacional dos Servidores Públicos (CNSP)

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.