Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O secretário da Educação do Estado de São Paulo, Rossieli Soares, acaba de tomar uma decisão drástica: obrigar os alunos – e também os professores – a voltarem às escolas paulistas em 2021. Justifica – em entrevista ao “Estadão” - que, com 3.200 das 5.000 escolas estaduais fechadas, a criança sofre um “massacre” educacional que poderá ter influência negativa por toda a sua vida. Por isso, vai convocar o pessoal e os alunos a voltarem às aulas no início do próximo ano letivo, sob o argumento de que as crianças e jovens não fazem parte do grupo de risco da Covid-19 e, respeitados protocolos, poderão frequentar as aulas presenciais em segurança. Pelo que diz, deve ter encontrado a forma de a criança não levar para casa o vírus que não a impacta mas pode prejudicar seus pais e, principalmente avós e outros familiares com comorbidades.

Rossieli – que já serviu como secretário da Educação do Amazonas e ministro da área no governo de Michel Temer – além do lado profissional, traz a experiência pessoal de ver o filho adolescente diagnosticado em depressão depois de um tempo longe da escola e de ficar internado por 16 dias (alguns na UTI) com Covid. Ele defende para São Paulo e o Brasil o mesmo trato que outros países dão à questão, mantendo as escolas abertas e em funcionamento. Se diz dispostos a diligenciar junto aos pais para convencê-los sobre a conveniência de levar os filhos à escola. Lembra que Educação é direito da criança e dever do Estado, evidentemente que dentro de protocolos. Também não descarta a possibilidade de pais terem problemas com a Justiça se negligenciarem na educação dos filhos.

Segundo o secretário, muitas escolas reformaram banheiros e outras instalações críticas e estão em condições de atender sua clientela. E isso autoriza a Secretaria da Educação a convocar os servidores – professores e outros profissionais – a retornarem ao trabalho presencial. Adiantou não temer greves, lembrando que isso é um problema a se resolver com os sindicatos ou, não havendo acordo, através da Justiça.

A iniciativa – mesmo que careça de adaptações – é interessante. Coloca o setor fora da sinistrose do “fecha tudo”, adotada no começo do ano quando não haviam informações sobre o coronavírus e nem expectativa sobre as vacinas, que estão para ser disponiblizadas à população, priorizados os grupos de risco. Esperamos que a experiência pessoal de Rossieli lhe dê condições de fazer a boa transição da pandemia para a normalidade. E que, de resto, a sua atitude motive os operadores de outros setores a executar o mesmo, dentro das respectivas realidades e sem a desconfortável disputa política.

É importante lembrar que, apesar do aumento da curva de infecção e mortes, a pandemia logo deverá ceder, principalmente se as vacinas cumprirem as finalidades que determinaram sua elaboração. Os responsáveis pelos setores vitais da sociedade têm o dever de avançar e, na medida do possível, buscar a volta à normalidade que se revelar possível. Mas é fundamental que o façam dentro de critérios técnicos e, principalmente, com orientação à população para, enquanto necessário, continuar se protegendo contra a proliferação do coronavírus. Lembrem-se que a perspectiva é boa, mas a pandemia ainda está presente e ameaçadora.

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) -  aspomilpm@terra.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.