Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O mundo respirou com certo alívio ao ver, na terça-feira (08) as primeiras vacinações com vacinas certificadas, realizadas na Inglaterra. “Agora a vacina já existe” – pensamos todos nós, ainda que com uma série de indagações pendentes. Espera-se que nos próximos dias Estados Unidos também aprovem as vacinas e que o mesmo ocorra em outros importantes e credenciados centros científicos do mundo e isso represente a possibilidade de os países partirem para a imunização de suas populações e a consequente finalização da pandemia da Covid-19. Aqui no Brasil, o ministro da Saúde, em reunião com governadores, reafirmou ser a imunização uma tarefa federal e disse que anunciaria tudo no Plano Nacional de Vacinação que definirá como conseguir e fazer a droga chegar a cada um dos brasileiros. O governo já adiantou que a vacina será gratuita e extensiva a toda a população, mas não obrigatória.

São imprescindíveis neste momento, a postura ética e científica e a autoridade da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), que tem se mantido distante do nefasto embate político que setores insistem em travar dentro da pandemia. A agência tem de cumprir sua tarefa e nada mais e não pode se submeter a prazos e interesses políticos, eleitoreiros e nem econômicos. Sua missão hoje é autorizar (ou não) a aplicação na população das vacinas que lhe forem propostas. É com base nessa liberação que o Ministério da Saúde deverá adquirir as doses e disponibilizá-las à população. Na tensa reunião de governadores – que foram a Brasília “buscar” a vacina – o governador de Goiás, Ronaldo Caiado, que é médico, foi a fala sensata: a vacinação é tarefa do governo federal, até porque há um desnível entre os estados e muitos deles não teriam como garantir a imunização de sua população.

A sociedade espera é que os governos dos diferentes níveis não continuem divergindo dentro da pandemia. Que, ao contrário, unam esforços para que a vacina e outras soluções possíveis cheguem o mais rápido possível à população e possam, gradativamente, diminuir o número de infectados e mortos. Como em todas as vacinações, o Ministério da Saúde terá a missão de adquirir as vacinas e fazê-las chegar aos estados. Os estados deverão fazer a ponte para a chegada das doses a cada um de seus municípios e estes farão a aplicação à sua população. É um esquema que já existe na distribuição das diferentes vacinas – até porque o SUS (Sistema Único de Saúde) é tripartite, recebendo recursos da União e os repassando em dinheiro ou produtos a Estados e Municípios.

Em vez de minimizar a gravidade, atravessar em suas atribuições ou – o pior – tentar tirar proveito político, eleitoral ou econômico da desgraça que se abate sobre a população, os governantes têm de encontrar a melhor forma de servir às respectivas jurisdições e, através da união de esforços, eliminar o mal que atinge a todos independente de ideologia, simpatias ou diferentes interesses.

Que a proximidade das vacinas e a distância das próximas eleições devolvam a sensatez aos detentores do poder e aos políticos e que estes possam, finalmente, respeitar e beneficiar a população que sofre. Acordem, senhores!...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br 

Temos vacinas! Que seja o fim da pandemia

O mundo respirou com certo alívio ao ver, na terça-feira (08) as primeiras vacinações com vacinas certificadas, realizadas na Inglaterra. “Agora a vacina já existe” – pensamos todos nós, ainda que com uma série de indagações pendentes. Espera-se que nos próximos dias Estados Unidos também aprovem as vacinas e que o mesmo ocorra em outros importantes e credenciados centros científicos do mundo e isso represente a possibilidade de os países partirem para a imunização de suas populações e a consequente finalização da pandemia da Covid-19. Aqui no Brasil, o ministro da Saúde, em reunião com governadores, reafirmou ser a imunização uma tarefa federal e disse que anunciaria tudo no Plano Nacional de Vacinação que definirá como conseguir e fazer a droga chegar a cada um dos brasileiros. O governo já adiantou que a vacina será gratuita e extensiva a toda a população, mas não obrigatória.

São imprescindíveis neste momento, a postura ética e científica e a autoridade da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), que tem se mantido distante do nefasto embate político que setores insistem em travar dentro da pandemia. A agência tem de cumprir sua tarefa e nada mais e não pode se submeter a prazos e interesses políticos, eleitoreiros e nem econômicos. Sua missão hoje é autorizar (ou não) a aplicação na população das vacinas que lhe forem propostas. É com base nessa liberação que o Ministério da Saúde deverá adquirir as doses e disponibilizá-las à população. Na tensa reunião de governadores – que foram a Brasília “buscar” a vacina – o governador de Goiás, Ronaldo Caiado, que é médico, foi a fala sensata: a vacinação é tarefa do governo federal, até porque há um desnível entre os estados e muitos deles não teriam como garantir a imunização de sua população.

A sociedade espera é que os governos dos diferentes níveis não continuem divergindo dentro da pandemia. Que, ao contrário, unam esforços para que a vacina e outras soluções possíveis cheguem o mais rápido possível à população e possam, gradativamente, diminuir o número de infectados e mortos. Como em todas as vacinações, o Ministério da Saúde terá a missão de adquirir as vacinas e fazê-las chegar aos estados. Os estados deverão fazer a ponte para a chegada das doses a cada um de seus municípios e estes farão a aplicação à sua população. É um esquema que já existe na distribuição das diferentes vacinas – até porque o SUS (Sistema Único de Saúde) é tripartite, recebendo recursos da União e os repassando em dinheiro ou produtos a Estados e Municípios.

Em vez de minimizar a gravidade, atravessar em suas atribuições ou – o pior – tentar tirar proveito político, eleitoral ou econômico da desgraça que se abate sobre a população, os governantes têm de encontrar a melhor forma de servir às respectivas jurisdições e, através da união de esforços, eliminar o mal que atinge a todos independente de ideologia, simpatias ou diferentes interesses.

Que a proximidade das vacinas e a distância das próximas eleições devolvam a sensatez aos detentores do poder e aos políticos e que estes possam, finalmente, respeitar e beneficiar a população que sofre. Acordem, senhores!...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.