Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A tolerância, que foi uma conquista do Liberalismo nos últimos quatro séculos, pretende hoje ser superada pelo pensamento "politicamente correto", em aras de uma interpretação rousseauniana e ressentida da questão das diferenças. O tema da tolerância teve origem na Inglaterra do século XVII, sendo John Locke (1632-1704) o grande sistematizador da questão. O ambiente, até então, era de nítida intolerância em matéria de pluralidade de credos religiosos.

Locke, jovem médico, foi chamado na alta madrugada na casa paterna para atender a um moribundo, terminou salvando a vida de lorde Shaftesbury (1621-1683), lhe praticando uma incisão de urgência na vesícula supurada, evitando assim a morte do paciente. O lorde, já curado, quis premiar os esforços do jovem profissional, lhe oferecendo o cargo de secretário particular no Parlamento. Assim, pela vesícula do conde, Locke entrou na política britânica como o mais importante teórico da onda de renovação que o partido whig imprimira nos costumes políticos na tradicional estrutura da monarquia absoluta inglesa.

A tolerância, para Locke, era uma das bases da sua concepção política. Pelo império do princípio da tolerância, o poder civil não poderia ser utilizado para forçar alguém a aderir a determinado credo religioso. Mas se a tolerância deve formar parte do pacto político em relação às Igrejas, ela deve também servir para aceitar as diferenças entre interesses materiais a serem representados no seio do Parlamento.

A essência do pacto político pressupõe a diversidade de interesses entre os cidadãos. Não aceitar os interesses dos outros era inviabilizar o pacto social. Foi contra essa essa diversidade de crenças e de interesses materiais que se ergueu Jean Jacques Rousseau com a sua proposta de Entropia Civil contida no seu ensaio intitulado Do contrato social (1762). Estava possuído pela ideia de que a unanimidade, no corpo social, garantiria a felicidade dos seus membros.

O discurso politicamente correto foi elaborado pela esquerda norte-americana dos anos 70 como expressão da unanimidade ao redor do Legislador. Numa espécie de reduplicação sistêmica do controle pelos Puros, a pragmática transcendental funcionaria dentro dos indivíduos submetidos ao interesse coletivo, como uma espécie de auto-alarme contra o que significasse dissenso. Ora, a primeira coisa a ser eliminada seria a incômoda diferença entre os indivíduos. Todos seriam iguais. A diversidade é culpa do Capitalismo e do Liberalismo, que pretenderam, sempre, nos separar uns dos outros.

A salvação é constituída pela Unidade Total do corpo Político, nessa República de zumbis em que o politicamente correto ameaça nos aniquilar. A educação de gênero, convenhamos, tenderia a eliminar essas diferenças burguesas entre sexos, fazendo com que desde o berço nos identificássemos como não diferentes, ou como diferentes na medida em que a linguagem permitisse isso nas novas modalidades trans que começam a povoar o imaginário através da arte e das telenovelas.

Ricardo Vélez Rodriguez é doutor em Filosofia e professor da Faculdade Positivo Londrina.   natalia@centralpress.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.