Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Os coronavírus são conhecidos desde os anos 1960, quando derivaram da alpaca (camelídio lanífero criado no Peru, Chile e Bolívia) e a maioria das pessoas com eles se infecta ao longo da vida, mas de forma branda, moderada e de curta duração. São gripes ou resfriados de poucos dias. Sua circulação foi registrada também em 2002, 2004, 2005 e 2012, vindo de morcegos, bovinos e camelos. A forma agressiva, que hoje amedronta o mundo, surgiu o ano passado na China. Foi transmitida ao humano pelos pangolins, um mamífero coberto de escamas que vive nas zonas tropicais da Ásia e da África. A velocidade da propagação na China, Europa e em outros países do hemisfério norte, colocou o mundo em alerta. A falta de conhecimento sobre a evolução é o grande e aterrorizante complicador.

Até amanhã de ontem (16), haviam no mundo 169.484 casos confirmados da doença e 6.518 mortes. No Brasil, chegamos a 200 casos confirmados, um aumento de 60%, pois no domingo eram 121, e até agora, sem mortes. Na América do Sul, morreram cinco, sendo duas vítimas na Argentina, duas no Equador e uma na Guyana (inglesa).

Mais do que a possibilidade de infestação e morte, estamos sofrendo uma sinistrose.  O país proibirá a reunião e circulação das pessoas para evitar a transmissão em alta escala que leve à necessidade de internação além da capacidade de nossa rede de saúde, especialmente hospitais com isolamento e UTI. Especialistas divergem na previsão do número de possíveis infectados. O dr. David Uip, coordenador do Centro de Contingência do Coronavírus em São Paulo, informou que o governo trabalha com a possibilidade do vírus contaminar entre 1% e 10% da população do estado, de 46 milhões de habitantes. Isto que dizer que poderão ser infectados entre 460 mil e 4,6 milhões de pessoas. Mas o infectologista Anthony Wong, diz que, “se chegarmos, será no máximo 2 a 3 mil casos”.

O mercado financeiro está tenso, as empresas aéreas, de turismo, escolas, shoppings, cinemas, restaurantes e outros estabelecimentos de grande movimentação de público tendem a parar e os prejuízos serão inevitáveis, podendo até inviabilizar os negócios atingidos. É importante que as autoridades sejam comedidas para evitar medidas extremas e desnecessárias, que possam produzir efeitos colaterais piores que o próprio problema.

Uma coisa o coronavírus já provou. O mundo globalizado, não está preparado para enfrentar problemas decorrentes da própria globalização. Diferente do passado, quando a relação dos povos se dava através vagarosos navios, hoje temos a celeridade e a grande frota de jatos que decola e pousa diariamente em todos os quadrantes do planeja. Além das medidas profiláticas para evitar o embarque dos males e sua ida de um lugar para o outro, é preciso ter estrutura mínima capaz de garantir a saúde da população nos momentos em que os controles venham a falhar. Uma obrigação de Governo, Parlamento e órgãos de saúde.  Ainda mais: os especialistas lembram que o coronavírus tem taxa de propagação de 2,2 a 2,5, menor do que as influenzas contra as quais nos vacinamos anualmente e infinitamente inferior às do sarampo (18 a 20), da dengue (16) e da catapora (12 a 13). Esses males, presentes endemicamente entre nós, não podem ser negligenciados por conta da epidemia (ou pandemia) agora surgida...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo)  aspomilpm@terra.com.br 

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.