Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Às vésperas de uma das mais importantes eleições brasileiras, a Constituição Federal de 1988 celebra 30 anos de promulgação nesta sexta-feira (5). Ora tida como baluarte ora atacada, ora defendida e elogiada ora temida ou mesmo ignorada. Mesmo assim, porém, sob sua forte luz, cambaleantes caminhamos.

De qualquer forma, trata-se de um marco. Afinal, são três décadas de um acontecimento democrático que vai se consolidando conforme a sociedade se movimenta e as instituições públicas cumprem suas funções. Para efeito de comparação, a Constituição dos Estados Unidos é de 1789 e recebeu poucas alterações. A do Brasil, no entanto, está à beira de receber a centésima emenda (sim, estamos na 99).

Em nossa história são sete as Constituições oficiais: 1824 (imposta), 1891 (democrática), 1934 (democrática), 1937 (imposta), 1946 (democrática), 1967 (imposta), 1988 (democrática). Entretanto, em 1969 a ditadura militar promulgou a Emenda Constitucional nº 1, considerada como uma espécie de Constituição por conta do seu conteúdo, mas imposta pelo regime de exceção como emenda. Entre atos impositivos e outros colaborativos, o país vai se formando e amadurecendo do ponto de vista político e jurídico.

Muito embora as mazelas de nosso povo sejam visíveis e ainda mais afloradas em tempos de eleições gerais, a verdadeira cidadania acaba ficando à margem do próprio Estado, bem como dos direitos fundamentais (dignidade, educação, saúde, segurança, moradia, bem-estar, igualdade, lazer, trabalho). Tudo isso é uma imensa porta aberta para ocupação de forças paralelas (milícias, tráfico, crime organizado).

Diante disso, alguns problemas ainda são evidentes. Entre eles estão a corrupção endêmica, a exclusão social, a elevada desigualdade social, econômica e cultural, além de um sistema legislativo com representatividade questionável e brechas que favorecem distorções, por vezes, não democráticas.

Por outro lado, é inegável que tenhamos tido avanços: liberdade de expressão, de trânsito, de associação; acesso mais fácil ao Judiciário e, consequentemente, a mais direitos; ampla informação que contribui para a qualidade de vida; e, bem ou mal, serviços como Sistema Único de Saúde (SUS), Sistema Único de Assistência Social (SUAS) e Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), que contribuem para dar condições de sobrevivência ao país.

As consequências desses avanços são muitas. Não apenas a sociedade civil pode ser organizar melhor, mas a imprensa, muitas vezes porta-voz da população, ganhou acesso a informações públicas e liberdade para apuração de fatos. Também o Ministério Público se fortaleceu e hoje ocupa posição importante como fiscalizador de deveres individuais e sociais. E, claro, o exercício da advocacia, que garante organização e concretização da Justiça.

Em 1998, o hoje ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso escreveu um artigo doutrinário sobre os 10 anos da Constituição em que questionava, no título: “Foi bom pra você também?”. Passados 20 anos disto, o que podemos afirmar é que avançamos muito como país, como sociedade e como democracia. E, naturalmente, podemos dizer que isso nos dá um friozinho, daqueles bons, como diria o poeta Vinicius de Moraes na canção Pela luz dos olhos teus: que frio que me dá o encontro desse olhar.

Por isso tudo, e por muito mais que se espera que aconteça, é que nossa Constituição de 1988 foi batizada por Ulysses Guimarães, um dos protagonistas daquela, como Constituição Cidadã, uma vez que coloca o ser humano no centro do sistema jurídico, bem como porque busca um olhar igualitário e inclusivo, mas sem olvidar-se do desenvolvimento econômico e tecnológico.

Portanto, em nossa história vemos um cenário de incertezas e instabilidades, tornando ainda mais especial e importante a comemoração dos 30 anos da Constituição mais democrática que o país já teve. É um fato realmente diferenciado, cuja atenção e destaque são indispensáveis a fim de uma contínua educação constitucional a bem da democracia e da sociedade.

Que “a luz dos olhos” de cada um de nós “e a luz dos olhos teus” [da Constituição Federal] resolvam se encontrar cotidianamente, pois assim teremos um país mais próximo do que é verdadeiramente justo e perfeito!

Jossan Batistute, sócio do escritório Batistute Advogados (societário, gestão patrimonial e imobiliário), é formado em Direito pela Universidade Estadual de Londrina (UEL), mestre em Direito Negocial também pela UEL, com especializações em Direito Empresarial, Processo Civil e em Direito Aplicado pela Escola da Magistratura do Paraná.

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.