Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Ao encerrar o Ano do Laicato no Brasil, a Igreja Católica reafirma o valor e a especificidade dos leigos. Entre as inúmeras contribuições do Concílio Vaticano II para o aggiornamento (atualização) da Igreja Católica, estão a reflexão e o aprofundamento do papel do leigo dentro do corpo eclesial.

Tamanha novidade, somada a tantas outras propagadas pelos documentos oficiais, causou, ao mesmo tempo, uma imensa alegria e perplexidade. Por um lado, soterrou-se a ideia de que existem cristãos de “segunda classe”, aqueles que estão na Igreja somente para receber os benefícios adquiridos e distribuídos por outros, como meros espectadores. Por outro, como entender esse papel próprio do leigo dentro do corpo místico de Cristo, que é a Igreja?

Quarenta anos depois, o Documento de Aparecida, produzido pelos bispos de toda América Latina e Caribe, veio sintetizar uma discussão tão complexa com o binômio: discípulos missionários. Todos os cristãos são chamados a ser discípulos, a aprender, a se formar e deixar-se moldar pela Igreja. Mas, também são chamados a ser missionários, a edificar e propagar essa fé viva na sociedade a que pertencem, sendo protagonistas de uma mudança.

O Ano do Laicato veio como um selo a confirmar e promover, o papel próprio, específico e insubstituível dos leigos na vida eclesial e social. São, em primeiro lugar, os leigos que permitem a penetração da vivência da fé nas realidades sociais. Chamados a exercer funções no mundo, a estar presentes onde os sacerdotes e consagrados não podem atuar, cabe aos leigos assumirem o papel de fermento vivo para gerar uma sociedade construída sobre valores verdadeiramente evangélicos.

Sem a presença dos leigos, toda a contribuição da Igreja para promover realidades sociais, políticas e econômicas mais justas, e que preservem toda a dignidade humana, passam a ser somente ideias e ideais vindos “de fora”, sem contato efetivo e maduro com a estrutura do mundo.

Os leigos, portanto, não somente pertencem à Igreja, mas são Igreja atuante no mundo. Não devem ser apenas contabilizados como parte da sociedade, mas assumem o múnus profético, régio e sacerdotal de Cristo no meio do seu povo, em comunhão com os membros das sagradas ordens e religiosos.

Junto ao sacrifício oferecido no altar, oferecem suas lutas, obras e preces cotidianas. Oferecem sua vida conjugal, familiar e todas as suas relações de trabalho, para edificar a Igreja no mundo e em si mesmos.

Com seu testemunho de vida, tornam-se verdadeiros sinais de que existe a real possibilidade de construção de um mundo melhor para todos. Sobretudo, possuem a penetração do sal, o poder de crescimento do fermento e a capacidade de revelação da luz em situações e condições por vezes tão amargas, desprovidas de vida e envolvidas nas trevas da ignorância e do erro.

Um ano de valorização e reflexão sobre o papel dos leigos na Igreja e na sociedade do Brasil serviu, não como ponto de chegada, mas como novo começo, maior adesão à hierarquia e, sobretudo, maior harmonia entre os diversos membros desse corpo instituído por Deus para trazer, não só vida nova, mas vida em abundância por onde quer que atue e esteja presente.

Flávio Crepaldi é colaborador da Fundação João Paulo II e colunista do Canal Formação, no Portal cancaonova.com

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.