Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Se tem um troço que atravanca por demais qualquer tentativa de discussão minimamente séria, a respeito de qualquer coisa que realmente mereceria a nossa atenção, é essa pressa insana que toma conta de nossa alminha sebosa, que quer porque quer tomar uma posição, favorável ou contrária, em relação a qualquer fumacinha de treta que apareça em nosso horizonte digital.

Sei que é uma obviedade ululante, mas vivemos em um tempo onde o óbvio deve ser dito em alto e bom som, do alto dos telhados de nossas casas conectas: tomada de posição precipitada e acalorada sobre qualquer coisa não é, de maneira alguma, sinônimo de tomada de consciência de coisa nenhuma, muito menos a expressão de um exercício de reflexão.

Aliás, lembremos e, se possível, tentemos não esquecer: reação automática e irascível a um fato, que apenas tomamos ciência por meia dúzia de buzinadas midiáticas, é uma atitude radicalmente oposta a qualquer forma de autonomia reflexiva.

Reflexão, por definição, demanda tempo e paciência. Compreensão e tomada de consciência também exigem isso.

Autonomia alguma é capaz de florescer num coração que vive agitado, ansioso para gritar ao mundo que essa ou aquela seria a sua posição em relação a isso ou aquilo para, desse modo, sinalizar [uma suposta] virtude para a galerinha da nossa panelinha de aloprados “criticamente críticos” preferidos.

Na verdade, toda vez que procedemos desse jeito, acompanhando freneticamente os movimentos das volúpias midiáticas, acabamos nos reduzindo à condição de massa de manobra, mesmo que acreditemos, candidamente, que estamos agindo [como se diz] de forma tremendamente crítica.

Aliás, essa é a ideia, não é mesmo? Todo indivíduo manipulado, instrumentalizado até o tutano, por definição, não sabe e não acredita, de jeito algum, que ele seria apenas e tão somente um peão alienado num jogo de fantoches travestidos de cidadãos atuantes.

Enfim, até quando continuaremos a tomar posição em relação a eventos cujas informações que foram recebidas por nós são tão apaixonadas quanto desencontradas, até quando? Só Deus sabe.

Provavelmente continuaremos por muito tempo com essa nossa mania, de ficarmos sentenciando e condenando publicamente pessoas que apenas conhecemos de ouvir falar, sem realmente procurarmos compreender, com um mínimo de clareza, o que de fato está rolando e, possivelmente, apenas iremos parar com isso no dia em que a tal da vergonha na cara florescer garbosamente em nossas ventas.

Fim de causo.

Escrevinhado por Dartagnan da Silva Zanela - professor e cronista - Instagram: @dartagnanzanela  - dartagnanzanela@gmail.com

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.