Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

As articulações do presidente Jair Bolsonaro para criar o Ministério da Segurança Pública, configuram-se num passo importante para um governo renovador. É evidente o desapontamento dos policiais militares de por terem sido um dos pilares da campanha e não  serem representados no alto escalão do governo. Mas o principal é que, havendo o ministério, as polícias poderão, através dele, encaminhar sugestões de combate ao crime com base na experiência que seus integrantes vivem no dia-a-dia. Durante mais de três décadas, a polícia estadual amargou o abandono à própria sorte e a perseguição de adversários ideológicos e até de governantes que, com o advento da Nova República, alçaram aos governos ditos sociais-democratas. Com a eleição do governo de mote conservador, espera receber apoio e condições para bem cumprir sua missão.

Bolsonaro e sua equipe, com o Ministério da Segurança Pública, terão farto material para propor o aperfeiçoamento das leis penais e, com isso, inibir o crime e melhorar a segurança da população. A nova pasta poderá, através de ações coordenadas, apoiar as polícias estaduais em operações conjuntas com grande resultado contra o crime. Poderá, até reduzir aquilo que hoje se chama violência policial, pois é com leis severas (não com força) que se combate a criminalidade. A força só é empregada como último recurso, depois de ocorrido o delito. Inibindo-se o crime, automaticamente se evitará a reação e o uso da força policial. Ainda mais: as polícias estaduais esperam, com o ministério, apenas poder contribuir para melhor condição de trabalho e a baixa da criminalidade; longe de pensar que, com a nova situação, poderá diminuir os rigores disciplinares, pois estes fazem parte do cerne da instituição e geram a sua credibilidade. Da mesma forma que se combate o crime praticado na sociedade, pune-se as inconformidades e transgressões cometidas pelo próprio corpo funcional.  

O formato militar nas polícias estaduais vem do século 19. Sua origem está na chegada de D. João VI, em 1808, quando se criou a Divisão Militar da Guarda Real de Polícia do Rio de Janeiro, embrião das PMs que, com o passar dos anos, foram instaladas no próprio Rio, Minas Gerais, São Paulo e outros estados, até cada unidade da federação possuir a sua. O sistema adaptou-se e sobreviveu a todas as mudanças político-institucionais desses mais de dois séculos e, pela sua exigência de hierarquia e disciplina, atende às necessidades básicas de segurança. 

É chegada a hora do governo federal, finalmente, assumir a sua missão de apoiador e provedor à estrutura de segurança pública, cabendo aos estados a tarefa de manter e administrar as polícias nos respectivos territórios. Tudo de maneira eminentemente técnica e sem qualquer viés político ou ideológico. A população deve ver no policial aquele que a protege e jamais na condição de representante do governo ou dos políticos que no momento governam. O Ministério da Segurança Pública, bem gestado, deverá ser seu grande indutor...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br 

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.