Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Num importante documento do Concílio Vaticano II (1962-1965) lemos: “As alegrias e as esperanças, as tristezas e as angústias dos homens de hoje, sobretudo dos pobres e de todos aqueles que sofrem, são também as alegrias e as esperanças, as tristezas e as angústias dos discípulos de Cristo”.

Podemos aplicar e refletir estas palavras no Dia do Trabalhador de 2021, perguntando: quais são as alegrias, as esperanças, as tristezas e as angústias do trabalhador nesta situação de pandemia?

A cada dia o noticiário fala mais das tristezas e das angústias do que das alegrias dos trabalhadores. De fato, a pandemia intensificou profundamente a crise de muitos no Brasil.

Um dos graves problemas na área trabalhista diz respeito ao desemprego. A situação, neste aspecto, já era ruim mesmo antes da crise da pandemia, de modo que seus impactos no país tendem a ser ainda mais dramáticos.

Essa situação seria mais facilmente contornável, caso a maioria da população estivesse em empregos formais. No entanto, o grau de formalização das ocupações no Brasil vem caindo continuamente desde 2015, com destaque para a perda dos empregos no ramo industrial. Sem o dinamismo desse setor, uma massa de trabalhadores foi se deslocando para setores de menor produtividade e menores salários, especialmente no comércio e serviços em geral, os quais serviram como válvula de escape à deterioração e queda do emprego formal. Fala-se, então, de “sucateamento dos postos de trabalhos”, “informalização”, “enfraquecimento dos direitos trabalhistas”, “uberização” etc.

Diante dessa crise, particularmente a do desemprego, o Papa Francisco assim se expressou recentemente: “Uma família onde falte o trabalho está mais exposta a dificuldades, tensões, fraturas e até mesmo à desesperada e desesperadora tentação da dissolução. Como poderemos falar da dignidade humana sem nos empenharmos para que todos, e cada um, tenham a possibilidade de um digno sustento?”.

Estas palavras estão no documento “Patris corde”, que significa “com coração de Pai”, publicado no dia 8 de dezembro de 2020, por ocasião do 150° aniversário da Declaração de São José como padroeiro universal da Igreja. E São. José, além de ter sido o “amado Pai” adotivo de Jesus e esposo de Maria Santíssima, foi trabalhador, e trabalhador que sofreu!

Saiu com Maria de Nazaré para Belém para o recenseamento determinado pelo imperador César Augusto. Lá Maria deu à luz Jesus. Onde? Num estábulo “porque não havia lugar para eles na hospedaria” (Lc 2,7). Certamente José não tinha dinheiro para pagar a hospedaria.

Com 40 dias de vida Jesus foi apresentado no templo. E José ofereceu a contribuição dos pobres: “dois pombinhos” (Lc 2,24). Depois ele fugiu para o Egito, porque Herodes queria matar o menino. E José, com Maria e o menino Jesus, sofreu na difícil situação de refugiado.

Em seguida voltou para Nazaré, mantendo a família com seu trabalho de carpinteiro (Mt 13,55). Ele é o pai trabalhador! Sobre isso, assim se expressou o Papa Francisco no documento citado: “São José era um carpinteiro que trabalhou honestamente para garantir o sustento da sua família. Com ele, Jesus aprendeu o valor, a dignidade e a alegria do que significa comer o pão fruto do próprio trabalho”.

Neste nosso tempo em que o trabalho parece ter voltado a constituir uma urgente questão social e o desemprego atinge por vezes níveis impressionantes, mesmo em países onde se experimentou durante várias décadas um certo bem-estar, é necessário tomar renovada consciência do significado do trabalho que dignifica e do qual o nosso Santo é patrono e exemplo. O trabalho torna-se participação na própria obra da salvação, oportunidade para apressar a vinda do Reino, desenvolver as próprias potencialidades e qualidades, colocando-as ao serviço da sociedade e da comunhão; o trabalho torna-se uma oportunidade de realização não só para o próprio trabalhador, mas sobretudo para aquele núcleo originário da sociedade que é a família”.

Que São José Operário, cuja memória é celebrada pelos católicos no dia 1° de maio, Dia do Trabalhador, nos ensine a dar um sentido ao trabalho e com sua intercessão ajude a Igreja e a sociedade inteira a valorizar os trabalhadores reconhecendo e atribuindo-lhes a dignidade que merecem. Dessa maneira, teremos “esperança e alegria”.

Lino Rampazzo é Doutor em Teologia e Coordenador do Curso de Teologia da Faculdade Canção Nova

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.