Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Mais cedo do que se esperava, embora ainda não encerradas oficialmente as apurações, a imprensa mundial diante dos números anunciou que o novo presidente dos EUA é Joe Biden. Há também incertezas quanto ao Senado e à Câmara de Representantes, havendo tendência de maioria republicana no primeiro e democrata no segundo parlamento.

A eleição foi muito disputada, e haverá demora pelas medidas judiciais de republicanos inconformados. Tudo isso vai seguir alimentando por mais alguns dias a tensão e o debate com mútuas acusações nesta que já é a maior disputa eleitoral de todos os tempos, em um país que detém, pelo bem e pelo mal, as atenções do Planeta.

Trump será descartado junto com os votos já contados? Talvez não. É possível que o movimento nacionalista e radical gerado por ele siga em frente sob sua liderança. O derrotado deverá promover forte oposição aos democratas, como eles não souberam fazer ao seu governo. Em centenas de anos nenhum presidente americano, ao disputar uma reeleição, havia buscado desqualificar o processo popular de escolha. E Trump fez isso previamente, desde bem antes das eleições.

Deixou claro seu desrespeito à democracia. Dividiu o país. Fez lá o que aconteceu aqui, com Bolsonaro quando se lançou candidato defendendo apenas o nós contra eles. E a sociedade entendeu que deveria optar por um lado, e radicalizou. Esse tipo de "Cultura do Ódio", alimentada nas mídias sociais pelas fakes news, fragiliza a democracia. Dividir não soma, a matemática é ciência exata.

Democracia só existe, é real e produtiva com a independência dos três poderes, com a garantia de igualdade e liberdade de todos perante as leis. Com os direitos constitucionais resguardados.

Governantes são funcionários públicos. Servidores à sociedade, gestores de todos e não apenas dos que neles votaram. Assim, não podem tomar decisões ao seu bel prazer, ao interesse deles próprios e dos que os apoiam. Mesmo quando eleitos por expressiva maioria de votos. Não podem pretender aplausos da mídia, porque ela existe para governados e não para governantes.

Trump decepcionou muitos cidadãos dos EUA, democratas e republicanos, acima de tudo por ter tomado decisões pessoais e ideológicas na pandemia da Covid-19. E fundamentadas em questionáveis crenças, em supostas teorias conspiratórias e não em fatos cientificamente comprovados. Conduziu as ações de governo, na grave crise sanitária, sob populismo autoritário e inconsequente. Milhares de pessoas morreram, outras tantas ficaram com sequelas. E o risco continua, sem vacina e sem remédio. Também ignorou a pauta do racismo, deu a entender que não há problemas climáticos e tropeçou nas relações internacionais. Mandou muito mal, como dizem os jovens.

Embora Trump possa não desaparecer com a vacina do voto, qual será sua imagem doravante? Qual o remédio usará para se manter vivo como líder? E Bolsonaro que o tem como ídolo, sofrerá as consequências da morte política do seu ídolo?

Embora tudo ainda pareça duvidoso, é certo que o mundo ganha quando o radicalismo perde.

Ricardo Viveiros é jornalista e escritor, autor entre outros livros de "Justiça seja feita", "Educação S/A" e "A vila que descobriu o Brasil" - ricardo.filinto@viveiros.com.br

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.