Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Passadas as festas, voltamos à rotina. É a hora de retomar as atividades para o enfrentamento de mais um ano que, por natureza, todos queremos seja melhor do que o passado (principalmente porque o passado foi atípico e sofrido). A grande diferença é que a vacina está chegando de diferentes e seguras fontes e agora temos novos prefeitos e outra composição de forças políticas decorrentes das eleições municipais. A tarefa mais urgente dos governantes – federal, estaduais e municipais – é  a vacinação para o combate à pandemia de Covid-19, que nos permitirá a volta à vida normal. O  governo federal vai providenciar as vacinas e os insumos para a sua aplicação. Os estaduais receberão os produtos e repassarão aos municípios. E os municípios, pelo sistema tripartite do SUS (Sistema Único de Saúde), aplicarão o imunizante nas respectivas populações. Temos, inclusive, a iniciativa privada se movimentando para também adquirir vacinas, o que é muito bom, pois se uma parte da população custear a sua proteção restará mais doses das adquiridas pelo governo, para atender mais rapidamente as camadas mais vulneráveis da população, especialmente os que não podem pagar. 

O Ministério da Saúde tem de correr para ter disponíveis a vacinas, as seringas e todo o instrumental e remetê-los aos Estados. Os Estados precisam afinar suas logísticas para fazer os produtos chegarem aos municípios e estes cuidarem a aplicação, atendidos os critérios de prioridade e protocolos estabelecidos. A tarefa é muito grande e exige dedicação de todos. É fundamental que os integrantes dos três níveis cumpram suas obrigações e evitem entrar em seara alheia. No caso paulista, verifica-se o Estado decretando status “vermelho” mais restritivo até 7 de fevereiro e prefeitos discordando disso e mantendo seus municípios no nível “amarelo”. É importante que isso não se torne uma disputa porque, se ocorrer, independente de quem ganhe a contenda, o grande perdedor será o povo, que necessita da imunização para não morrer.

 “Águas passadas não movimentam engenho”. A frase popular no leva a pensar que devemos olhar para a frente, jamais para trás. Espera-se que os entes federados atuem solidária e harmonicamente nesse que deve ser o grande tiro para eliminar o mal epidêmico. Temos de aproveitar a experiência que nossas equipes de saúde reúnem em vacinação contra outras moléstias para vencer o coronavírus e devolver à população o ambiente saudável em que todos possam cuidar da própria vida e, com seu trabalho, contribuir para o desenvolvimento da sociedade. Não temos tempo e nem paciência para assistir a saúde da população transformada em instrumento de disputas e apetites político-eleitorais. Temos todas as condições objetivas para voltar à vida normal onde cada um poderá usar os próprios esforços, produzir e ser próspero e feliz.

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br 

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.