Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Ser humano pode ser complicado, se para isso colaboramos. Por outro lado, é razoavelmente simples, quando temos a compreensão de que basta ser, plena e integralmente, humano.

Sensibilidade e princípios são essenciais para a construção de relações honestas e dignas com o próximo. Aliás, alguém até já disso isso: “Amai ao próximo como a si mesmo”.

Assim, olhar o mundo além do nosso pequeno e (em regra) malfeito umbigo é indispensável para a construção de uma sociedade menos tortuosa e de mais oportunidades.

Nesse processo, o diferencial – para o bem e para o mal – está em nosso conjunto de valores. Eles são únicos, a marca de cada um de nós.

Claro que trazem uma espécie de “assinatura genética”, vamos dizer assim, de nossos pais, professores e dos demais atores que influenciam nossa existência dia após dia.

Vivências e aprendizados, quando elaborados adequadamente, dão luz a características como honestidade, responsabilidade, tolerância e humildade.

Sim, não raro, falta uma reflexão mais aguçada sobre o significado de nossas crenças e atitudes. Há os que se iludem com a riqueza vinda do acúmulo de bens e, claro, do dinheiro.

Ninguém alcança a felicidade focado apenas em conquistas materiais. Contudo, existem uns sem limites, que se dispõem a passar por cima dos outros, a dar a famosa “puxada de tapete”.

Sigo essa linha de raciocínio em todos os campos. Veja, por exemplo, os bons profissionais: sejam eles advogados, jornalistas, professores ou médicos, todos trazem de comum o cuidado com o próximo, o compromisso com a verdade e a ética.

Na Medicina, sempre reafirmo, enxergar o paciente como gente é tudo. Também é preponderante ter todos sob o mesmo prisma. Pessoas são pessoas e merecem nossos melhores esforços e ações. Vale igualmente ao abastado e ao vulnerável socialmente.

Se você quer avaliar um médico, veja como ele se comporta frente a um paciente carente economicamente. Se porventura tratá-lo com descaso e arrogância, não tenha dúvidas: é um péssimo médico e um caráter medíocre.

Todos sempre temos ainda muito o que melhorar. A consciência de nossa pequeneza é o primeiro e grande passo para evoluir. É necessário, sentir, estudar, aprender, escutar e se colocar no lugar do outro. Enfim, comecemos por exercitar a solidariedade e a empatia.

Antonio Carlos Lopes, presidente da Sociedade Brasileira de Clínica Médica - acontece@acontecenoticias.com.br

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.