Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Medicamento oral utilizado para tratar a disfunção erétil, condição que acomete 1/3 da população masculina a partir dos 40 anos, é cercado de tabus e urologista lista os principais mitos e verdades que cercam sua administração

Medicamento oral de referência para tratar a disfunção erétil, o Viagra é o nome comercial, registrado pela farmacêutica Pfizer, do componente ativo sildenafil (ou citrato de sildenafila).

Conhecido popularmente como “a pílula azul” ou “azulzinho”, chegou ao mercado em 1998 e sua importância está relacionada ao fato de que 1/3 da população masculina terá problemas eréteis, a partir dos 40 anos de idade, segundo pesquisas da Sociedade Brasileira de Urologia. Além disso, estudos norte-americanos mostram uma prevalência de disfunção erétil pelo menos leve em torno de 40% aos 40 anos e de quase 70% aos 70 anos. Para disfunção grave, as proporções são ao redor de 20% e 50%, respectivamente. Os números são parecidos no mundo todo, o que comprova que o problema é mais frequente do que se imagina.

Dados de 2014 do laboratório Pfizer mostram que os brasileiros já compraram mais de 114 milhões de comprimidos desde 1998. Segundo o laboratório, são comercializadas cerca de 11 pílulas de Viagra por minuto no país.

Não são somente os mais velhos que recorrem ao Viagra, a droga chama a atenção dos mais jovens que a utilizam para melhorar o desempenho sexual; um dos principais mitos que cercam o famoso medicamento. Segundo o Membro Titular da Sociedade Brasileira de Urologia, Dr. Danilo Galante, é fato que há maior dureza e facilidade em iniciar (e manter) a ereção, afinal usar o Viagra em qualquer situação melhora o enchimento de sangue no corpo do pênis, mas o grande problema é o uso indiscriminado, sem orientação médica. Há riscos do uso da medicação, principalmente quando misturado a álcool, drogas ilícitas e algumas medicações. 

Levando em consideração o interesse de diversas gerações no "azulzinho"e os tabus que envolvem sua administração, Galante lista os mitos e verdades sobre o assunto. Confira a seguir:

Aumentar a dosagem prolonga a ereção. MITO!

Não há melhora nesse sentido. A dose máxima de Viagra (sildenafila) é 100mg. Tomar uma dose maior do que essa só provoca efeitos colaterais, como cefaleia e aceleração da frequência cardíaca.

A droga é um afrodisíaco! MITO!

Não há interferência do Viagra no desejo sexual (libido). Sem estímulos adequados, a ereção não vai acontecer. O medicamento é apenas um facilitador desse processo ao estimular a vasodilatação sanguínea.

Meia dose “só para fazer uma graça” faz efeito. MITO!

Nenhuma mudança relevante tende a acontecer na ereção em caso de ingestão de uma dosagem mais baixa.

Pode ser consumido um pouco antes da relação sexual. MITO!

Para que aconteça o efeito desejado, o Viagra deve ser ingerido ao menos uma hora antes da relação, de preferência com o estômago vazio e acompanhado de um copo de água, já que o medicamento é hidrossolúvel. Para a tadalafila (Cialis)- outra medicação,  30 minutos são suficientes. 

Resolve o problema da ejaculação precoce. MITO!

É falso, pois a ejaculação precoce trata-se de um problema que exige tratamento específico, normalmente com terapia sexual. 

Pode causar a morte se usado com frequência. MITO!

Não há qualquer tipo de risco ao se realizar o uso diário do medicamento, na dosagem adequada. 

Não é todo homem que pode tomar! VERDADE!

Há contraindicações aos homens que usam regularmente medicações para tratar insuficiência cardíaca, sob o risco de queda severa na pressão arterial e infarto. Aos pacientes com doença da retina, recomenda-se consultar o oftalmologista sobre eventuais riscos. Já aqueles que possuem problemas cardíacos crônicos, devem evitar a pílula azul, visto que as relações sexuais são exercícios físicos de alta intensidade. Vale ressaltar ainda que não há contraindicações para hipertensos, pois o citrato de sildenafila tem como um dos efeitos a diminuição da pressão arterial.

Existem efeitos adversos temporários. VERDADE!

Embora não sejam comuns, possíveis sintomas decorrentes do uso podem surgir: visão turva, ardência dos olhos, dor de cabeça, congestão nasal, tonturas leves. O efeito colateral mais frequente é o rubor facial.

Dr. Danilo Galante – Formado em medicina pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) com especialização em Urologia pela UNESP. Pós-graduado em Cirurgia Robótica pelo Hospital Oswaldo Cruz – SP. Doutorado em urologia pela USP, além de Fellow Observer of Johns Hopkins School of Medicine Brady Urological Institute Laparoscopic and Robotic Urologic Surgery. Membro Titular da Sociedade Brasileira  de Urologia e Instrutor do ATLS (Advanced Trauma Life Support), atua em áreas diversificadas como Cálculos Urinários; Infertilidade (incluindo Reversão de Vasectomia), Disfunção Sexual e Cirurgia Robótica. Site: https://drdanilogalante.com.br/

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.