Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Muito se fala de foro privilegiado no Brasil. O significado básico todos sabemos. Trata-se de um mecanismo pelo qual se altera a competência penal sobre ações contra autoridades públicas. Ou seja, se você tem foro privilegiado não é julgado por juiz de primeira instância como nós, reles mortais.

Em sua essência, o princípio do foro faz sentido: proteger um cargo ou função pública, não propriamente a pessoa que ocupa ele. Assim, assegura a estabilidade política. Em tese, é uma boa medida, mas indo mais a fundo na questão o privilégio perde o sentido.

No dia a dia, percebemos que esse mecanismo vem sendo distorcido ao longo dos anos. Com isso, aquela máxima de que todos são iguais perante a leite perde totalmente o sentido. Assim, o foro embute uma série de impunidades, já que diversas pessoas que se envolvem em escândalos de corrupção e outros crimes graves o utilizam como um escudo, mantendo uma barreira contra eventuais punições. 

No Brasil, cerca de 55 mil pessoas têm foro privilegiado. Em outros países, os beneficiados são contados em dezenas; aqui, em dezenas de milhares. Assim, fica claro que o foro assumiu o jeitinho brasileiro e é concedido para muitos que não teriam direito a essa prerrogativa jurídica. 

Os beneficiados são promotores, juízes, prefeitos, desembargadores, procuradores de Justiça, governadores, deputados, senadores, ministros, e o presidente. 

A luz no final do túnel é que há uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC), a 10/2013, que propõe a redução drástica do foro privilegiado. A PEC já foi aprovada pelo Senado e encaminhada à Câmara dos Deputados. Mas isso ocorreu em 2017. Ou seja: está parada há quatro anos. Obviamente, porque a mudança de regras não interessa aos deputados.

Além de super inchado, o foro privilegiado é um dos fatores que contribuem – e muito – para a lentidão na Justiça brasileira. Basta entrar com um pedido legal e vai para a fila que anda mais rápido. Enquanto isso, os cidadãos comuns esperam anos por decisões dos tribunais. Está aí mais uma item da imensa lista de mudanças positivas para o país.

Antonio Tuccilio, presidente da Confederação Nacional dos Servidores Públicos (CNSP)  - analivia@textoassessoria.com.br

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.