Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Embora proposta pela CBF (Confederação Brasileira de Futebol) e aprovada pelo Ministério da Saúde, a volta da torcida, mesmo limitada a 30% da capacidade dos estádios, é um risco evitável. Conflita com o aconselhamento de se impedir as concentrações de pessoas nesta fase em que o coronavírus ainda circula e infecta em larga escala, mesmo que com o viés de baixa que observamos e devemos fazer tudo para continuar. O mais indicado é aguardar a vacinação que, pelo anúncio das autoridades governamentais e sanitárias, deve começar já em outubro com os 5 milhões de doses da Coronavac a serem liberados pelo Instituto Butantã.

Se for exigida, como protocolo, a comprovação da vacina como requisito para o ingresso às praças esportivas, evitaremos a temida ocorrência da reinfestação, que colocaria a perder todo o controle já executado e fatalmente voltaria a elevar o número de infectados e mortos. Poderia, inclusive, colocar em risco a saúde dos jogadores, patrimônio maior e razão de existir de todo clube. Bastam os casos de Covid 19 já ocorridos nos plantéis. Como a vacinação será gradativa, com esse cuidado, se impedirá a chegada abrupta da multidão de torcedores às arquibancadas e proximidades dos estádios. Fica a sugestão à CBF, aos clubes e às autoridades, para avaliar na reunião prevista para esta quinta-feira (24).

Os campeonatos estiveram parados desde a chegada da pandemia. Nesse período criaram-se esquemas que permitiram a realização de jogos sem a presença da torcida, com a transmissão pelo rádio, TV e redes sociais. Mesmo sem o calor da galera presente, os clubes já podem produzir e suferir parte da renda da atividade através de patrocínios e taxas de transmissão. Dessa forma, têm como sobreviver durante mais alguns meses, até a volta dos torcedores devidamente vacinados.

Não se pode desprezar as oscilações para cima de casos positivos da Covid 19 depois de aglomerações ocorridas em países e regiões onde o mal caminha para a solução. Inclusive nos, brasileiros, vivenciamos hoje, com o aumento de casos, o resultado das festas, praias e movimentações do feriado de 7 de setembro. Cautela nunca será demais...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.