Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Depois de toda a polêmica, que nos levou à sensação de crise institucional cujas conseqüências ainda não é possível quantificar, a Câmara dos Deputados rejeitou nesta terça-feira, a PEC 135/2019, que determina a impressão dos votos nas urnas eletrônicas como forma  de auditoria e eliminação de dúvidas. Mas o assunto não está liquidado. Há no Senado a PEC 182/2007, já aprovada pela Câmara em 2015, que também cria a obrigatoriedade de impressão do voto. Desse projeto, apenas a criação da janela para a mudança de partido sem a perda de mandato foi aproveitada pelos senadores e o restante ficou engavetado. A idéia é desmembrar a questão do voto impresso e tramitá-la no Senado, sem a necessidade de volta à Câmara, pois os deputados já a aprovaram.

O ocorrido com a PEC 135 tem mais relação com o momento insólito vigente na política nacional do que com as medidas nela contidas. A impressão dos votos em nada prejudicaria o atual processo eleitoral (e até lhe conferiria mais segurança) e a não impressão não constitui indicativo de que haveria fraude deliberada. Portanto, não é crível o que afirmam o ministro Luiz Roberto Barroso, presidente do TSE, que garante a inviolabilidade e segurança das urnas eletrônicas, nem o o que diz o presidente Jair Bolsonaro, que sem voto impresso s eleições poderão ser fraudadas. São meras suposições que apenas inflaram a discussão mas não trazem solidez às afirmativas e, positivamente, não devem ter sido a razão da decisão de voto dos deputados, tanto 229 os que votaram a favor quanto os 218 contrários ao projeto que, para ser aprovado, precisava de 308 votos. Foi apenas mais uma queda de braços com componentes surreais e milhares de eventos paralelos tumultuadores. Mas nesse momento, a Câmara dos Deputados resta com a obrigação de dizer à Nação a razão da decisão de seus membros e, inclusive, pelo que decidiram, garantir de que não há o risco de fraude.

Afora o conflito estabelecido, há que se considerar outras propostas que atenderiam os objetivos constantes tanto na PEC 135 quando na 182. É interessante a proposta do engenheiro Carlos Rocha, que participou do processo de desenvolvimento das urnas, nos anos 90, de em vez de se imprimir os votos, criar-se a certificação digital que coloque voto-a-voto em condições de ser apurados, reapurados e auditados. Isso – lembra o técnico - já é possível com a tecnologia e a legislação hoje disponíveis em nosso país.

Outro ponto defendido por Rocha é a descentralização do processo de apuração, hoje restrito ao TSE e mantido como propriedade de seus técnicos. A proposta é que, além de certificados, os votos sejam disponíveis para passar pela fiscalização dos partidos e por auditorias independentes, sempre com caráter técnico e jamais político-partidário. Isso afastaria todas as dúvidas hoje pendentes como a de invasão do sistema por hackers conforme o ocorrido em 2018 e apurado em inquérito da Polícia Federal.

A confiabilidade do processo eleitoral é fundamental à sociedade. Ela dará ao eleitor a certeza de que o seu voto foi contabilizado para o candidato de sua preferência, tenha ele sido ou não eleito. Os deputados que votaram a PEC 135 foram pressionados por uma luta desmedida e imprópria para uma decisão de tamanha importância. É preciso, de alguma forma, encontrar a pacificação e o ponto de equilíbrio. Não podem contrários e favoráveis a qualquer tipo de controle do processo se comportar como estando numa guerra. Isso não promove o aperfeiçoamento e nem a confiança da população e torna-se muito ruim para todos nós. Raciocinemos que a urna eletrônica existe há 25 anos. Nesse intervalo a tecnologia desenvolveu-se muito e, pelo que se sabe, o sistema não evoluiu na mesma proporção. Tanto que, entre os que usam votação eletrônica, apenas três países aplicam as nossas urnas: Brasil, Butão e Bangladesh.

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.