Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Manchete do jornal o Liberal: A juíza da 2ª Vara Judicial de Nova Odessa, Michelli Vieira do Lago Ruesta Chanaman, aceitou a denúncia do MP (Ministério Público) contra dois secretários da prefeitura e dois ex-servidores que teriam agido junto com o prefeito Benjamin Bill Vieira de Souza (PSDB) para desviar R$45.178,10 dos cofres públicos e beneficiar o assessor de gabinete e amigo de infância do prefeito, Divair Moreira.”

A matéria acima serve de ilustração para mostrar o quadro  de corrupção em que se encontra o país, onde as irregularidades com o dinheiro público não cessam de ocorrer.

Todos sabem que o país está repleto de desonestos públicos. E a perspectiva de minimizar a situação não é nada promissora, tal é a audácia criminosa de agentes públicos em persistir na irregularidade graças à leniência  de nossa legislação penal, que facilita a liberdade em pouco tempo dos criminosos. 

Vejam por exemplo o caso emblemático do ex-ministro Geddel Vieira Lima, condenado, em 2017, a 14 anos e 10 meses pelos crimes de lavagem de dinheiro e associação criminosa, que agora está sendo contemplado, de acordo com parecer favorável da Procuradoria-Geral da República (PGR), com a progressão para o regime semiaberto por ter cumprido em regime fechado a fração  da pena necessária para a obtenção do benefício.

Realmente, o país é um santuário de desonestos públicos, protegidos pela benevolência legal, que não exige o cumprimento integral da pena de perda de liberdade do agente público infrator. 

A corrupção está institucionalizada no país e enriquece muita gente. A corrupção  permeia os Três Poderes da República e assim será eternamente porque não temos um órgão, isento de controle político, capaz de varrer a corrupção das instituições.

Eu duvido que exista político que não se beneficie da coisa pública. Uns se beneficiam com menos e outros com mais, mas se beneficiam.  Basta ver a farra do dinheiro público circulando nos gabinetes de parlamentares sob todas as formas: empreguismo, altos salários, mordomias, viagens mascaradas de “a serviço”, “rachadinha” como a que enquadrou o senador Flávio Bolsonaro, quando era deputado estadual da Alerj etc.

O brilhante e irônico jornalista e maior teatrólogo de todos os tempos, Nelson Rodrigues, deixou cunhada esta pérola: “Eu me nego a acreditar que um político, mesmo o mais doce político, tenha senso moral.” De fato, a imoralidade do político nacional com o trato da coisa pública é caso de polícia, tal é o descaramento com o zelo do dinheiro do contribuinte, do Erário.

Júlio César Cardoso - Servidor federal aposentado - Balneário Camboriú-SC  juliocmcardoso@hotmail.com

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios