Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

"Você utilizou o transporte coletivo nos últimos 30 dias?" Essa pergunta deveria ser, obrigatoriamente, formulada a todos os que buscam consultas e exames com suspeita de infecção pelo coronavírus. Principalmente agora que São Paulo ensaia parar em "lockdown" e amplia o rodízio de veículos, que outras cidades também impõem restrições à circulação de automóveis e, como resultado, assistem o lotar dos terminais, pontos e veículos - ônibus, vans, trens e metrô - em boa parte por quem é obrigado a deixar o carro em casa.

Se escolas, repartições, clubes, cinemas, shoppings, lojas, bares, restaurantes e prestadores de serviços - exceto os essencialíssimos como supermercados, hospitais e farmácias  - são impedidos de funcionar para evitar as aglomerações que podem levar funcionários e clientes a adoecer ou transformarem-se em transmissores do coronavírus, nada mais lógico do que pesquisar os locais onde se contaminaram os que buscam socorro, entre esses lugares os terminais e veículos de transporte público, onde é humanamente impossível guardar a distância aconselhada de um metro e meio entre uma pessoa e outra e certamente não há disponibilidade de funcionários e nem de insumos para a desinfecção imediata e permanente de corrimãos e outros suportes onde os usuários seguram para se equilibrar quando viajam em pé, ou se apóiam ao embarcar e desembarcar.

É contraditório segregar a população, obrigar todos a usar máscaras, admoestar os que se aglomeram e, ao mesmo tempo, forçar a se juntarem no transporte coletivo milhares de donos de automóveis que, se não estivessem retidos na garagem, poderiam proteger da infecção seus ocupantes, de quebra, evitar a potencialização dos riscos aos que não possuem condução própria.

Toda informação é útil, especialmente num quadro adverso como o atual (18/05), em que nosso país contabiliza 16.118 mortos e 241.080 mil doentes pela pandemia. A certeza de que a proximidade dos passageiros ou qualquer outra variável está (ou não está) causando a transmissão da Covid 19 pode fazer grande diferença e servir de apoio  para a tomada de decisões e providências mais eficientes pelas autoridades e até pela própria população. Seu bom emprego será capaz de salvar preciosas vidas...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br 

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios