Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Em meio a uma pandemia, incertezas e desemprego, as pessoas estão buscando por aperfeiçoamento para conseguir melhores condições de trabalho em um futuro próximo, e para isso, tem procurado os colégios estaduais do estado do Paraná, que no momento estão trabalhando com aulas remotas, para fazer os cursos técnicos por eles oferecidos. Porém, está sendo negado o direito ao estudo, já que o estado do Paraná tem visto estes cursos como gastos, e não como investimento.

Não podemos esquecer da fala do Ministro da Educação, Milton Ribeiro, que ao tomar posse do cargo disse que a educação profissional teria um maior investimento, sem contar  que também temos a proposta do NOVO ENSINO MÉDIO, onde o aluno poderá escolher a forma que prefere estudar, médio com técnico, medio, entre outros. Em tempo, o CEE (Conselho Estadual da Educação) deliberou na última semana sobre a continuidade das matrículas para as turmas de 1o semestre, mesmo nesta situação de pandemia.

Por isso, não conseguimos entender esse descaso que o governo do Paraná tem tido com os cursos técnicos. Cursos estes que possuem na sua grande maioria filas de espera, além de as próprias empresas nos procurarem para abrirmos novas turmas, para que os seus funcionários possam ser capacitados.

Só na cidade de Londrina, temos mais de 1000 alunos, sendo impedidos de estudar, devido à política de corte de gastos.

Mas não podemos enxergar a educação como gasto, ela deve ser vista como investimento, pois uma população que estuda e se aperfeiçoa, compreende os riscos das atividades, o certo e o errado, além da melhoria de vida, devido a possibilidade de encontrarem empregos com melhor remuneração.

O futuro está logo ali, e não podemos deixar pra depois o que podemos fazer agora, pois, para ter sucesso no futuro temos que começar hoje, principalmente, pelo fato, dos cursos terem um tempo pra finalização.

Temos sido atacados todos os inicios de semestres com as incertezas de aberturas de turmas, onde só se avalia números, no entanto esquecem o que podemos fazer por estas pessoas...

Nós, Professores da Educação Profissional, buscamos formar alunos, que tenham capacidade de análise e resolução de problemas, independente da área em que estão se formando. Eles saem capazes de exercer suas profissões, seja na área de gestão, de produção, de alimentos, da saúde entre outros.

Nós não estamos lutando por uma classe desfavorecida, mas por uma população, que muitas vezes não tem condição de pagar esses cursos.

O futuro está logo ali, e queremos chegar nele, de uma forma mais leve e com uma comunidade capacitada.

Prof. Manuela Lisboa – Londrina – Pr.

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios