Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

“Durante encontro regional em Foz do Iguaçu, o pré-candidato ao governo do Paraná, Osmar Dias (PDT), propôs à população romper com o atual modelo político e passar o Estado a limpo. Adiantou que vai promover devassa nas contas e contratos do governo, acabar com o loteamento de cargos em troca de apoio político, reconstruir a credibilidade das instituições, fortalecer as empresas públicas e trabalhar a eficiência na gestão do Estado”. Fonte: GDia.

Ao marinheiro de primeira viagem, digamos assim ao eleitor principiante, as propostas do ex-senador Osmar Dias parecem cheias de boas intenções e enche os olhos do incauto eleitor que deseja mudança de comportamento do político brasileiro no trato da coisa pública.

Nada contra a competência, seriedade e lisura do pré-candidato  ao governo do Paraná. Mas será mesmo que o senhor Osmar Dias traz soluções novas para romper com o atual modelo político e passar o Estado a limpo, em cujo ambiente ele já navega há muito tempo sem nunca ter se preocupado com tais mudanças? Tenho as minhas reservadas dúvidas.

Os políticos em busca de eleição costumam se apresentar como uns cordeirinhos desmamados  para pedir pelo amor de Deus o votinho do eleitor, prometendo trabalhar com fidelidade para o bem-estar da população e da nação.  Mas depois de eleitos, a conversa é outra, a maioria passa a desconhecer os eleitores, dando-lhes aquela famosa “banana”, e fazem do mandato o que bem entendem. Por exemplo:

Se parlamentares, (a) interrompem o mandato para exercer cargos nos governos para os quais não foram eleitos, cometendo estelionato eleitoral ao deixarem de cumprir as promessas de campanhas firmadas tacitamente com o eleitor; (b) também interrompem o mandato para  disputar outros pleitos políticos; (c) votam, no Legislativo, contra os interesses da sociedade; (d) deixam de fiscalizam o Executivo; (e) participam de conchavos fisiologistas em balcões de negócios espúrios para tirar proveito do poder; (f) etc., etc.

Se presidentes da República ou governadores, costumam chamar para pastas governamentais, interrompendo seus mandatos, parlamentares sem levar em consideração geralmente a meritocracia técnica.

O  candidato Osmar Dias, por exemplo, já foi senador. Durante a sua passagem pelo Senado, desconheço a sua providência revolucionária para combater as mordomias  e os gastos extravagantes da instituição. Desconheço.

Certamente, ele deve se utilizar também do Plano de Saúde  gratuito e vitalício do Senado, que contempla senadores, ex-senadores e familiares, sem se importar da imoralidade e injustiça de um benefício não extensivo aos demais contribuintes e trabalhadores brasileiros e que  fere  os artigos 5º e 37 da Constituição Federal.

É muito curioso ver  senadores, deputados e candidatos defendendo, da boca pra fora, a ética e a austeridade com os  gastos públicos. Só que, na realidade, muitos desses parlamentares e candidatos não se preocupam com os dispêndios aviltantes existentes na área da administração pública dos Três  Poderes.

Um país que nega dignidade de atendimento médico-hospitalar  às camadas pobres da sociedade,  as quais, muitas vezes, morrem nas filas de atendimento dos hospitais públicos sucateados, não pode se dar ao luxo de ter um Senado Federal que ofereça, de forma gratuita e vitalícia, assistência médica  para aos seus parlamentares e familiares, inclusive – pasmem o tamanho da imoralidade – aos “ex-senadores e familiares”. Isso é um acinte ao contribuinte brasileiro. É a corrupção latente no próprio seio do Senado.  E depois, as excelências não querem se criticadas.

O Plano de Saúde do Senado deveria contemplar apenas os senadores em exercício, mediante a cobrança de contribuição mensal de cada parlamentar, destinada ao fundo de saúde da Casa.

Assim, como se pode continuar a acreditar nas boas intenções dos políticos brasileiros se eles dão mostras evidentes de que  vão para o Parlamento ou para o Governo, não para trabalhar pela nação, mas sim imbuídos, lamentavelmente,  de tirar vantagem da coisa pública.

Júlio César Cardoso - Bacharel em Direito e servidor federal aposentado

Balneário Camboriú-SC -  juliocmcardoso@hotmail.com

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios