Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.
Artigos e Opinião 27/11/2018  11h47

Pilulas...

Ao completar 30 anos a constituição brasileira já passou por diversos e difíceis testes. Está de pé e o país vive uma democracia. Os  direitos fundamentais são exercidos por todos. Apesar das críticas, existem propostas de mudanças com nova constituinte ou lipoaspiração de  artigos. O motor das mudança é o Congresso Nacional  com os projetos de emenda constitucional. Veja algumas curiosidades coletadas na mídia:

O artigo 177 da constituição brasileira  estabelece que,  entre os monopólios  do Estado, há uma exceção os radioisótopos, cuja produção, comercialização e utilização poderão ser autorizadas sob regime de permissão.

No capítulo da ordem financeira, o artigo 192 instituiu o teto da taxa de juros a ser praticada no país em 12 por cento ao ano. Foi extinto em 2003. Os bancos foram proibidos de ter empresas de turismo.

A carga tributária em 1988, ano da constituição, era de 24 % do PIB.

As empreiteiras ganharam um quinhão constitucional que iria, mais tarde, se tornar um tema explosivo: apenas empresas nacionais podiam fornecer bens e serviços ao governo sem concorrência  com as empreiteiras multinacionais.

Apesar da distribuição da educação, saúde e infraestrutura para  estados e municípios, os gastos do governo federal não diminuíram.

Foi garantido o direito à aposentadoria para todos, inclusive os que nunca tinham contribuindo para a previdência. Os gastos com o sistema de aposentadoria chegam hoje a 12 % do PIB.

Quase fez parte do texto um artigo que dizia que homens e mulheres teriam direitos iguais, excetuando-se os períodos de menstruação. Outro propunha a nacionalização de todos os postos de combustíveis.

Entre as constituições mais detalhistas do mundo, a nossa aparece em terceiro lugar com 64 .488 palavras, quando a média mundial é de 19.700. Perde para a da ìndia, com 146.385 palavras e da Nigéria com 66.263.

A constituição dos Estados Unidos, promulgada no final do século 18, era uma pequena carta de princípios com apenas 7 artigos. Como pode funcionar em uma  democracia tão grande?

Para modificar a constituição é necessária uma PEC – Projeto de Emenda Constitucional. Existem mais de 1000 tramitando no Congresso.

A OAB – Ordem dos Advogado do Brasil é a única corporação  a ser citada no texto. Todas as demais foram deixadas de lado. Os críticos dizem que a constituição de 1988 é a dos bacharéis,  os guardiões da democracia pátria.

Desde 1990 foram criados 1079 novos municipios. Entre vereadores e funcionários as câmaras municipais abrigam aproximadamente 230 mil funcionários. Não se sabe quantos tem direito a carro, motorista, manutenção, gabinete, etc. A de São Paulo custa quase meio bilhão de reais por ano.

A constituição permite que o governo edite as chamadas medidas provisórias, e graças a elas pode governar sobre qualquer assunto. O que deveria ser exceção, virou regra geral.

A primeira constituição brasileira foi a do império. Apesar de promulgada no começo  do século 19 não abarcou o liberalismo politico  e econômico  de sua época. Dava poderes autoritários ao imperador e durou até a república.

Por sua vez a primeira da república foi a segunda que mais  durou. Valeu até 1930 com a ascensão de Getúlio Vargas. Inspirada nos filósofos do final do século 19 pontificava um poder executivo forte, quiça ditatorial, que fosse capaz de levar a ordem e o progresso a todos.

Heródoto Barbeiro é editor-chefe do Jornal da Record News em multiplataforma.

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios