Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A curiosidade move o mundo.

Algum dia você já se perguntou sobre a origem de tal coisa ou acontecimento? Pois é, o exercício de perguntar muitas vezes não tem a devida atenção que merece, já que sobra pouco espaço para atividades extras no dia a dia. São tantas informações e tarefas para dar conta que é quase impossível dedicar tempo às curiosidades da vida.

Por isso, hoje, a proposta é trazer aqui uma curiosidade que pode até parecer aleatória, mas que traz um contexto muito interessante para acompanhar e compreender. Estamos falando da evolução do sutiã na história da humanidade. Soa estranho para você? Porém, saiba que tudo o que envolve a existência e a ação humana tem o seu devido valor na história. Por isso, bora contar um pouco sobre isso.

Quando tudo começou

E a gente já começa com mistério porque não há registros suficientes para apontar onde, como e quando surgiu essa peça tão importante para as mulheres. Existem, sim, mosaicos romanos que até sugerem o uso do que seria um sutiã, na verdade, panos enrolados sobre os seios. E isso há mais de dois mil anos.

Porém, antes disso, há muito mais anos, acredita-se que na Ilha de Creta, as mulheres gregas usavam uma espécie de corpete feito de tiras de pano para se enfeitarem e ficarem mais atraentes, o que aponta para um elemento mais de sedução do que funcional.

Com o tempo, o uso do tal corpete foi ganhando força no quesito sedução e teve seu tempo de sucesso entre a civilização grega. Mas parece que ficou por aí, porque o que veio depois, com os romanos, foi a valorização do corpo estrutural dos guerreiros, deixando a sensualidade feminina de lado.

Na idade Média

Foi o tempo dos espartilhos que nos filmes com temática medieval até podem fazer sucesso sugerindo elegância e sensualidade, mas que na prática era o terror para as mulheres. Esses apetrechos deixavam a mulherada com a silhueta esbelta, mas o preço que se pagava por isso era muito alto. As mulheres praticamente ficavam asfixiadas dentro dos espartilhos, sem contar outros problemas como a perfuração da pele e costelas quebradas.

O começo da mudança

Foi no início do século XX que as coisas começaram a se tornar mais leves e os modelos foram se tornando mais próximos do que temos hoje. Há quem diga que foram as inglesas que começaram essa busca pelo alívio, mas a popularidade desse novo item foi difundida pelas francesas.

E o sutiã fez ainda mais sucesso quando, em 1907, uma matéria sobre a peça foi divulgada na revista Vogue, que usava a palavra brassière para defini-la, termo em francês que significa pequena camisa. As francesas, por outro lado, chamavam-na de soutien.

Mas apesar de toda a história do sutiã até aqui, teve quem soube aproveitar a oportunidade da “nova onda” para fazer o próprio nome. Mary Phelps Jacob ficou conhecida como a inventora dessa peça íntima depois de desfilar por salões de Nova York com um modelo feito de lenços de seda. Ela não foi nada boba, pois patenteou a ideia em 1915.

Tecnologia envolvida

Com a invenção de materiais mais ajustáveis e elásticos, como o nylon, o sutiã passou a ser uma peça mais confortável e ganhou projeção mundial, além de uma redução nos valores que eram praticados. Em 1945, o bilionário Howard Hughes ousou desenhar um modelo especial para a atriz Jane Russel, que ficou conhecido como sutiã meia taça. A ousadia do bilionário abriu portas para que modelos mais sensuais fossem desenvolvidos.

A partir disso surgiram muitos modelos, tanto para ocasiões mais sensuais como para funcionalidades do dia a dia, para seios grandes e pequenos, enfim, para todos os tipos e gostos.

Jogo de poder e sedução

Com o tempo também foi se criando a preocupação em combinar as peças íntimas femininas  e a partir disso surgiram os conjuntos de lingeries que são itens de desejo tanto para as mulheres como para os homens, logicamente. Sem contar outras peças que acabam reforçando a sensualidade e o poder femino, como os baby dolls e short dolls.

Conclusão

Você descobriu hoje que o sutiã ou soutien,  peça tão comum no dia a dia feminino, possui uma longa história cheia de significados e curiosidades. Esperamos que você tenha gostado de saber um pouco mais sobre isso e que esse conteúdo faça você refletir sobre mais coisas do cotidiano que passam batidas, pois tudo o que envolve a ação humana tem sua parcela de importância na história.

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios