Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Na busca por uma cidade cada vez mais limpa, a secretária de Agricultura e Meio Ambiente de Rolândia, Angélica Rosenthal, aproveitou reunião ordinária da Secretaria de Educação, ontem  7, para falar sobre a correta destinação dos resíduos às pedagogas das escolas de ensino fundamental e dos centros de educação infantil. O objetivo foi recolher sugestões sobre o tema e também fazer com que o assunto ganhe as salas de aula da rede municipal de ensino.

Angélica Rosenthal traçou um panorama geral de quanto lixo Rolândia produz e como os moradores se desfazem dele. Segundo a secretária, a cidade gera diariamente cerca de 42 toneladas de resíduos – ou 0,7 kg por habitante, em média. A coleta, transporte e destinação de todo esse material tem um custo alto para o município. Junto com a capina, poda e varrição, a prefeitura gasta R$ 4.954.443,33 por ano.

Dentre esses quase R$ 5 milhões, estão incluídas a operação com o aterro sanitário, que consome R$ 635,4 mil, com a coleta convencional (R$ 1,87 milhão) e a coleta seletiva (R$ 275,4 mil). Ou seja, quanto mais resíduos as empresas e moradores produzirem, maior o gasto de recursos. Por isso, a necessidade de diminuir a geração de resíduos, como também tratá-los adequadamente, para que a reciclagem seja mais eficiente e que a vida útil do aterro seja preservada.

A secretária de Meio Ambiente mostrou fotos da antiga pedreira – para onde estão sendo levados os entulhos da construção civil – e de carreadores cheios de resíduos atirados por moradores de Rolândia e de outras cidades. Trata-se de monturos de lixo atirado ao longo principalmente das estradas rurais do município. “Essas pessoas estão cometendo crimes ambientais, que acabam não sendo punidos por falta de fiscalização para pegá-las em flagrante”, disse ela.

Angélica Rosenthal discorreu também sobre as ações que a prefeitura está realizando para dar solução à questão dos resíduos e recebeu das pedagogas de Rolândia sugestões para conscientização dos moradores – como a produção de um vídeo a ser exibido em salas de aula, para que as crianças cobrem dos pais e cresçam com uma nova mentalidade ambiental.

NC/PMR

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios