Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Pela primeira vez na história de Tamarana, a prefeitura começou a colocar em prática uma ação para reduzir e controlar o alto número de cães e gatos em situação de abandono ou semiabandono na cidade.

Estimativas apontam que, em todo o município, há ao menos 1.000 animais nessa condição. Diante desse quadro, a Secretaria municipal de Saúde abriu licitações para contratação de clínica veterinária para dar início a um amplo trabalho de castração dessa superpopulação.

A iniciativa, executada pela Vet Costa, de Faxinal, teve início em maio de 2019 e, até o início de novembro, já havia castrado 188 animais (quantidade que abrange cães e gatos de ambos os sexos e de todos os portes). Há mais 140 procedimentos a serem feitos. De início, a prefeitura destinou R$ 64.885,00 para o projeto, mas o objetivo da Saúde é tornar a ação contínua.

Após os animais serem cadastrados pelos donos na Secretaria de Saúde, a clínica veterinária vem buscá-los em Tamarana, leva-os para a cirurgia e devolve-os para os próprios responsáveis, que também recebem medicamentos para a recuperação pós-operatória dos bichinhos.

"Antes de adquirir um cão ou gato, é preciso saber se todo mundo de casa aceita e se existem condições financeiras e espaço para mantê-los. Um dos fatores que levam ao abandono dos animais é o cruzamento indesejável e, por isso, a necessidade da castração", alertou a coordenadora da Vigilância Sanitária do município, Roseli Alves.

"Já evitou o nascimento de mais de 400 filhotes", estimou o vereador Hector Siena Gobetti quando perguntado sobre os resultados do trabalho. O parlamentar atua junto a um grupo de tamaranenses que, voluntariamente, dedicam-se à causa animal.

Os voluntários entendem que a castração é o único método eficaz o suficiente para, em médio a longo prazo, resolver o problema de cães e gatos soltos pelas ruas. O vereador informou ainda que pretende apresentar um projeto de lei para punir casos de maus tratos e abandono.

"Se você tem teu cachorrinho, você tem que pôr ele do portão para dentro. E não deixar na calçada, na rua", acrescentou a secretária municipal de Saúde, Dalva Siena.

Arrecadação de tampinhas

Aliás, a própria secretária, em uma iniciativa também apoiada por uma rede de voluntários, tem recolhido tampinhas de garrafas plásticas para bancar ações em prol dos animais de rua – entre elas, a castração.

Batizado de "Na Minha Rua Mora um PET", o projeto começou em março de 2019 e já conseguiu reunir mais de uma tonelada de tampinhas. Todo esse montante, além de evitar a poluição do meio ambiente, servirá para cuidar de cães e gatos sem lar.

Dalva Siena salientou que qualquer um pode coletar tampinhas e, assim, ajudar a causa. Para saber mais, é só acessar esta página: http://bit.ly/naminharuamoraumpet

Lucas Marcondes Araújo/Asimp

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.