Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Ocorrência de criadouros do mosquito da dengue cai para menos de 1% em Tamarana

A quantidade de focos do mosquito da dengue em Tamarana caiu significativamente ao longo dos últimos meses, conforme o Levantamento de Índice Rápido do Aedes aegypti (LIRAa). Se em janeiro deste ano o LIRAa havia sido bastante elevado, de 11,2%, a mais nova amostragem, realizada de 08 a 10 de junho pela equipe de Combate a Endemias da Secretaria municipal de Saúde, contabilizou uma infestação de 0,4%.

"É um índice muito pequeno de criadouros do Aedes aegypti. É resultado de um trabalho conjunto", avaliou o diretor municipal de Ação em Saúde, Leandro Feronato, ao argumentar que esforços coletivos praticados pelo setor de Combate a Endemias e outras unidades da Secretaria de Saúde, demais pastas da Prefeitura de Tamarana, o Poder Legislativo local e a sociedade civil deram resultado na luta contra o mosquito.

Feronato observou que o tempo menos chuvoso e de temperaturas mais amenas – características típicas do outono – também contribuíram para o resultado. A título de comparação, o índice era elevado durante o mesmo período do ano passado: o LIRAa feito em maio de 2019 somou uma infestação de 5,3%.

Segundo o coordenador municipal de Combate a Endemias, Guilherme Garcia, o levantamento visitou 235 imóveis de todas os bairros da zona urbana e encontrou somente um criadouro. As larvas estavam em uma caixa d'água utilizada para captar a água da chuva. Os outros três focos localizados pela equipe eram de espécies diferentes de mosquitos.

Garcia lembrou, no entanto, que, para o número se manter baixo, a população deve fazer do combate à dengue uma tarefa a ser executada em todas as épocas do ano. "É um tipo de cuidado que vai do próprio munícipe. Cuidando de seu quintal, deixando o lixo para os coletores levarem, em vez de simplesmente descartar do outro lado da rua ou em terreno baldio".

Além disso, o diretor de Ação em Saúde defendeu que o atual percentual demonstra que é possível conter a incidência das larvas do mosquito sem recorrer a métodos como a aplicação de veneno nos imóveis dos moradores – ação que, de acordo com ele, pode reduzir a população de demais insetos necessários ao equilíbrio ambiental

"Se a gente tiver sempre um LIRAa menor que 1%, nunca vai precisar jogar inseticida na cidade. [...] A gente sabe que aquele veneno tem uma eficácia muito baixa para [combater] o Aedes aegypti. Ele mata abelhas, vespas, vagalumes e diversos outros insetos. Isso é necessário, na verdade, quando a gente tem um índice fora de controle como estava, de 11,2%. Esse índice, de 0,4%, serve para mostrar que é possível – se a gente fizer a limpeza dos quintais e virar todos os recipientes que podem acumular água – controlar os focos de Aedes aegypti sem veneno", afirmou Feronato.

Casos confirmados

De julho de 2019 até na sexta-feira (19), a dengue infectou 279 pessoas em Tamarana. O número consta no mais recente boletim epidemiológico de casos da doença divulgado pela Secretaria municipal de Saúde. As notificações de casos suspeitos alcançaram o montante de 844 pacientes. O período não tem registro de óbito pela doença. "Se a gente não tem focos, não tem contaminação de pessoa para pessoa no município", resumiu o diretor de Ação em Saúde.

Lucas Marcondes Araújo/Asimp

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.